Festival de San Sebastián encerra com brilho de Kristin Scott Thomas

"Elle s'appelait Sarah" ("Ela se chama Sarah") retrata perseguição a judeus na França durante a Segunda Guerra Mundial

EFE |

Divulgação
A atriz inglesa Kristin Scott Thomas
O filme francês " ("Ela se chama Sarah", em tradução livre) encerrou hoje a 58ª edição do Festival de Cinema de San Sebastián com um comovente relato no qual a britânica Kristin Scott Thomas protagoniza o resgate de sua história pessoal. Os segredos escondidos numa casa em Paris e os horrores vividos na época da caça aos judeus durante o Governo colaboracionista de Vichy é o que leva Julia Jarmond (Scott Thomas), uma jornalista americana estabelecida em Paris, a se envolver em uma busca que a faz navegar entre dois mundos.

Dirigido por Gilles Paquet-Brenner, "Elle s'appelait Sarah", que se apresentou fora de concurso no certame, conta duas histórias distanciadas no tempo por 60 anos e que se cruzam através de uma casa do bairro parisiense de Le Marais. Em 1942, uma família judia é desalojada desse apartamento onde Michel, o caçula, fica escondido em um armário, por ideia da irmã Sarah (Mélusine Mayance). Sessenta anos depois, Julia começa a investigar a origem do apartamento de seus sogros onde quer começar uma nova vida com o marido. Paquet-Brenner quis contar no filme um período da história da França mal conhecido, explicou hoje o cineasta em entrevista coletiva.

"É preciso aceitar e digerir a verdade porque, senão, não conseguimos ir adiante", ressaltou o diretor, para quem se trata de um tema muito delicado, já que parte de sua família morreu nos campos de concentração nazistas.

Os filmes argentinos também tiveram destaque no dia de encerramento do Festival, com o brilho de "Lo Que Más Quiero", de Delfina Castagnino, e a truculência de conteúdo político de "La Mirada Invisible", de Diego Lerman.

Enquanto a entrega da Concha de Ouro protagoniza o último dia do Festival, o cinema latino prossegue seu caminho paralelo na seleção Horizontes até completar sua mostra de 11 filmes com estes dois títulos que referendam a diversidade do espectro cinematográfico latino-americano.

    Leia tudo sobre: Kristin Scott Thomas

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG