Soul Kitchen - Cinema - iG" /

Fatih Akin diverte Veneza com Soul Kitchen

VENEZA ¿ Obrigada, Fatih Akin. Se a plateia de jornalistas tivesse como dizer isso ao diretor alemão, faria. Na verdade, alguns mais cara de pau até agradeceram, na coletiva de imprensa que se seguiu à sessão na manhã desta quinta-feira (10).

Mariane Morisawa, enviada especial a Veneza |

Divulgação

"Soul Kitchen": alívio cômico na reta final da competição do Festival de Veneza

O agradecimento não é exatamente porque Soul Kitchen seja uma obra-prima, nem mesmo porque tenha vindo na sequência das duas bombas exibidas na quarta-feira na competição do 66º Festival de Cannes. É mais porque, numa seleção de filmes tão sérios e políticos, seu longa-metragem ofereceu um alívio cômico quando o evento se aproxima de seu final ¿ amanhã é exibido A Single Man, último concorrente ao Leão de Ouro.

Não, não está escrito errado: a nova produção do diretor de Contra a Parede e Do Outro Lado é uma comédia em que quase tudo dá errado para o divertido protagonista Zinos (Adam Bousdoukos). Sua namorada está de mudança para a China, o irmão está em liberdade parcial e precisa de emprego, o restaurante não vai muito bem, um empresário inescrupuloso faz de tudo para comprar o prédio.

Eu queria fazer uma experiência, porque não gosto de me repetir. Há cineastas que fazem sempre o mesmo filme, eu não entendo. Prefiro falhar experimentando do que não arriscar, disse Akin na coletiva de imprensa. Ele contou que estava preocupado de ficar marcado como o cineasta dos filmes intensos. Mas criar diálogos cômicos é muito difícil, afirmou.

Claro que, por trás da comédia aparentemente boba, com o ar pop de filmes como Boogie Nights e Os Bons Companheiros, escondem-se temas os mais diversos. A exploração imobiliária e a gentrificação, por exemplo. Hamburgo, onde Fatih Akin nasceu, passa por processo similar de tantas outras cidades, em que a população proletária de certos bairros vai sendo expulsa quando essas regiões viram moda e os preços dos imóveis sobem absurdamente.

Mas Soul Kitchen fala principalmente da importância dos amigos e da família, ao som de muita música boa, algo tradicional nos filmes do cineasta alemão de origem turca. Desta vez, a questão das identidades culturais e do relacionamento entre Alemanha e Turquia não está em jogo. Os protagonistas, os irmãos Zinos (Adam Bousdoukos) e Illias (Moritz Bleibtreu), são gregos ¿ não deixa de ser uma pequena ousadia um turco falar de gregos, já que os dois povos têm uma história de conflitos.

O chef do restaurante de Zinos, Shayn (o sempre ótimo Birol Ünel, de Contra a Parede), pode ser cigano ou espanhol. Mas todos convivem harmoniosamente e nem se toca no assunto. Soul Kitchen pode ser uma comédia, mas seus personagens continuam apaixonados. Para Fatih Akin, parece, não há espaço, nem nas comédias, para falta de intensidade.

Leia as últimas notícias do Festival de Veneza

    Leia tudo sobre: festival de veneza

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG