"Família Vende Tudo" reflete vale tudo pela fama, afirma diretor

Alain Fresnot falou sobre a comédia ao lado de Lima Duarte, Caco Ciocler e outros nomes do elenco

Marco Tomazzoni, iG São Paulo |

Divulgação
Lima Duarte e Vera Holtz em "Família Vende Tudo"
O título não poderia ser mais explícito. Na comédia "Família Vende Tudo", que estreia no próximo dia 17, Lima Duarte e Vera Holtz não fazem uma venda de garagem, como o nome poderia dar a entender. O casal joga a filha (Marisol Ribeiro) no colo de um cantor famoso (Caco Ciocler) na esperança de sair com um cheque compensando uma possível gravidez. Em entrevista em São Paulo para divulgar o filme, o diretor Alain Fresnot ("Desmundo", "Ed Mort") afirmou que a história acabou refletindo a vida de Latino, que compõe as músicas e faz uma participação no filme.

Com seis longas-metragens prestes a entrar em cartaz, Lima Duarte, aos 81 anos, confessou que nunca passou por uma situação assim. Assumiu, no entanto, que o assédio ainda existe – na última novela em que trabalhou, uma assistente insistia em convidá-lo para sair após as gravações. "Disse para ela, 'Meu bem, se eu levar você pra cama, não vou saber o que fazer'", narrou, bem humorado.

Para o ator, o interesse pelo filme surgiu em razão da união da família, que mora na periferia de São Paulo e vive vendendo bugigangas do Paraguai. "Fiz esse porque era uma família interessante, peculiar, uma família brasileira típica, hiper típica. Uma família que vende tudo, inclusive a própria moral." Marisol Ribeiro completou: "Brasileiro é assim, faz de tudo para se virar".

Divulgação
Latino em sua participação na comédia, com o diretor Alain Fresnot ao fundo
Fresnot garantiu aos jornalistas que não quis enveredar pelos estereótipos, apesar de admitir que não há como fugir desse risco. "É um recorte, uma lente de aumento nesse universo do vale tudo pela fama, da diluição dos valores. Um filme de família, mas que não busca uma identificação fácil com o espectador. Quis ir bastante fundo nesse retrato de dificuldades", ressaltou. "O filme tem um olhar carinhoso sobre os personagens. Acho que tem essa pretensão de ser até doce com a dureza da vida."

Na trama, o cantor Ivan Carlos, alvo da histeria das fãs, faz uma mistura de sertanejo e forró com letras dignas de funk carioca. Para encarar o papel, Caco Ciocler frequentou aulas de canto e recebeu dicas de Latino, compositor do principal sucesso do galã, "Xique Xique". Além disso, um show real de Latino serviu para fazer as vezes do público de Ivan Carlos. "Ele simplesmente dá o que as mulheres querem", disse Ciocler, referindo-se ao cantor.

Gestado desde antes de 2006, quando venceu o primeiro edital de incentivo, "Família Vende Tudo" conquistou cinco prêmios no Cine PE , o festival de cinema de Recife, mas teve má recepção da crítica. Para o diretor, trata-se de uma questão pessoal. "Comédia é um gênero que não necessariamente dá margem à crítica, há uma certa resistência", explicou. "Se for gostei ou não gostei, fico com a opinião da minha mãe, que, aliás, tinha péssimo opinião a meu respeito", acrescentou Lima Duarte.

null

    Leia tudo sobre: família vende tudolima duartealain fresnotlatino

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG