Estreia de "Kung Fu Panda 2" cria controvérsia entre chineses

Animação é criticada por se apropriar de elementos tradicionais da cultura do país

EFE |

Divulgação
Kung Fu Panda 2
A estreia na China este fim de semana de "Kung Fu Panda 2", segunda parte do filme de animação de Hollywood que em 2008 narrou a transformação de um panda em mestre das artes marciais, dividiu os cinéfalos entre quem fez longas filas para vê-lo e os que pediram seu boicote.

A estreia nas vésperas do Dia Internacional da Infância no próximo 1º de junho revelou que a nova versão acrescenta à anterior mais elementos chineses como o teatro de sombras e a dança do leão.

"O Dia Internacional da Infância deve ser puro. Não o transformem em um dia de ganho econômico para Hollywood nem enganem nossas futuras gerações com fast-food americano", disse em mensagem Zhao Bandi, um artista vanguardista que propõe o boicote ao filme.

Zhao pagou de seu bolso inserções nos jornais de Pequim e Cantão para "ganhar a batalha contra o filme".

Já em 2008, Zhao tinha lançado campanhas similares para boicotar o primeiro "Kung Fu Panda", que na China alcançou uma marca histórica para filmes de animação ao conseguir uma bilheteria de US$ 27,7 milhões.

Kong Qingdong, professor de chinês da Universidade de Pequim que acompanha Zhao na liderança ao boicote do filme disse à imprensa local que os elementos chineses são utilizam como publicidade da cultura dos EUA. "É uma invasão cultural", disse Kong.

Segundo a agência oficial Xinhua, não faltam argumentos a quem diz que a produção da DreamWorks confunde a verdadeira cultura e é um instrumento para "sequestrar" a mente dos chineses.

No filme, o personagem principal chamado "Po", é um panda - espécie única na China - falador, gracioso e encantadoramente ingênuo, por isso poderia ser uma típica figura americana.

Mas o panda ganhou milhões de adeptos e no portal de microblogs mais popular da China, weibo.com, os comentários chegaram aos 270 milhões, alguns dos quais qualificaram a obra como brilhante, lamentando que a China não possa produzir esse tipo de filmes.

No Festival de Cannes 2011, a animação impressionou pela qualidade .

null

    Leia tudo sobre: Kung Fu Panda

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG