Em Amor à Distância, sentimento não tem data do fim

Mesmo sem fugir dos clichês das comédias românticas, filme traz história bem contada

Reuters |

Divulgação
Drew Barrymore e Justin Long em cena da comédia romântica Amor à Distância
O gênero da comédia romântica é invariavelmente visto com certo desdém, seja pela crítica especializada, seja para o público mais afeito ao cinema de arte. Com fórmulas repetidas à exaustão e previsíveis, essas produções fazem crer que há uma certa falta de originalidade por parte dos estúdios, a começar pelos norte-americanos.

Amor à Distância , que estreia na sexta-feira, estrelado por Drew Barrymore e Justin Long, não foge muito a essas constatações. No entanto, nesse filme dirigido por Nanette Burstein o sabido desfecho e os diálogos manjados são apenas detalhes de uma história bem contada.

Erin (Barrymore) é uma estudante de jornalismo, que passa suas férias de verão em Nova York como estagiária do jornal New York Sentinel. Já Garrett (Long) trabalha como agente de bandas das quais não gosta, em uma empresa que promove novos talentos. Quando o rapaz termina seu namoro e corre a um bar em busca de consolo com seus amigos, conhece Erin.

A paixão é instantânea, como diz a regra. No entanto, como a moça precisa voltar para San Francisco, no outro lado do país, eles decidem que o relacionamento terá uma data de vencimento. Como o amor fala mais alto, no final das seis semanas, o casal se encontra com todas as dificuldades e melindres de se levar um relacionamento à distancia.

Mais do que propriamente o romance entre os protagonistas, o roteiro de Amor à Distancia dá preferência para o humor, que combina escatologia, deboche, sarcasmo, piadas de cunho sexual e acidez. Longe de ser um filme família, é na composição matemática da comédia que a produção se sobressai.

Complementar ao relacionamento dos protagonistas, a dinâmica destes com seus amigos e familiares são vitais para a trama. Na pele dos colegas de Garrett, Dan e Box, Charlie Day e Jason Sudeikis dão mais fôlego ao filme. O mesmo pode ser dito da participação especial de Christina Applegate, no papel de Corinne, irmã de Erin.

Curiosamente, a história, roteirizada por Geoff LaTulippe baseia-se em fatos reais vividos por seu amigo David Neustadter, que assina a produção de Amor à Distancia . Talvez por essa razão que o filme seja uma comédia romântica mais voltada ao público masculino do que ao feminino.

Assista abaixo ao trailer de Amor à Distância :

    Leia tudo sobre: Amor à Distância

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG