Filme exibe cantores como Gal Costa, Frank Sinatra e Ella Fitzgerald interpretando músicas do compositor

"A linguagem musical me basta". Essa é a frase que fecha o documentário "A Música segundo Tom Jobim".

Ela é atribuída ao músico, mas poderia muito bem ser o discurso dos diretores do longa, o veterano Nelson Pereira dos Santos e a estreante Dora Jobim, neta do maestro e diretora de DVDs musicais.

Leia também: Nelson Pereira dos Santos "corta blá blá blá" em filme sobre Tom Jobim

Cena de 'A Música segundo Tom Jobim'
Divulgação
Cena de 'A Música segundo Tom Jobim'

Neste filme bastante peculiar, a obra do artista é dissecada por imagens de arquivos - fruto de uma extensa pesquisa da dupla e de Antônio Venâncio, não apenas no acervo do Instituto Tom Jobim, mas nas mais diversas fontes como canais de televisão estrangeiros e até na Internet.

Tom Jobim e Vinicius de Moraes
Divulgação
Tom Jobim e Vinicius de Moraes
Num filme como esse, a edição é bastante importante. Conta muito a forma como os diretores articulam a sequência de números musicais de intérpretes os mais variados - numa lista que inclui desde Gal Costa e Elizeth Cardoso, passando por Diana Krall cantando em português, o francês Jean Sablon, os norte-americanos Ella Fitzgerald, Sammy Davis Jr. e Frank Sinatra. Por meio da montagem, Nelson e Dora constroem um diálogo de tempo e espaço tendo como unidade a obra compositor.

Não há explicações, conjeturas ou falatório. É música, música, música. Para o leigo - aquele que aprecia Tom Jobim sem conhecimento profundo de causa -, o longa é prazer para os ouvidos, com direito a muitas descobertas - como a tocante interpretação de Judy Garland para "How Insensitive" (versão em inglês de "Insensatez"), que Dora achou no YouTube.

Para os fãs do músico, talvez o filme não traga muitas novidades, mas o prazer reside exatamente na conjugação de sons e imagens, que contam de forma não-cronológica, mas temática, a história de Tom Jobim como músico.

Siga o iG Cultura no Twitter

Uma escolha curiosa da dupla de diretores é não creditar o nome dos intérpretes ao longo do filme, quando aparecem cantando. Funciona bem - até como uma brincadeira de se descobrir quem é quem e também no sentido de não poluir a imagem ou distrair a atenção. Ao final do longa, uma lista com imagens dá conta desses créditos.

Nelson Pereira dos Santos que em seu currículo inclui dramas ("Vidas Secas", "Brasília 18%") e documentários ("Raízes do Brasil") alia a sua longa experiência, inclusive como diretor de ficção, à sensibilidade de Dora, que chegou a conviver com o avô, morto em 1994.

Com sua sensibilidade aguçada, "A Música segundo Tom Jobim" é uma viagem sensorial por um universo musical bastante rico. É também uma jornada por nossa cultura e a visão desta pelo mundo afora. "Garota de Ipanema" é uma das músicas mais cantadas no mundo - e no documentário não é diferente, trazendo diversas versões dela, na interpretação de músicos como Errol Garner, Pat Hervey, Marcia e Lio - fora a versão original.

Leia também: Nelson Pereira dos Santos "corta blá blá blá" em filme sobre Tom Jobim

Tom Jobim levou sua música para os quatro cantos do mundo. O mais interessante é que sua obra, por mais bem-aceita que tenha sido, nunca foi feita pensada na exportação. Seu sucesso fora do Brasil é pura e muito justa consequência.

 null

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.