Comédia "Elvis & Madona" desmonta estereótipos sexuais

Filme retrara a curiosa relação de uma lésbica e um travesti sem esbarrar no mau gosto

Reuters |

 Exibida e premiada em diversos festivais nacionais e estrangeiros, como Natal, Rio e Tribeca (Nova York), "Elvis & Madona", de Marcelo Laffitte, é um exemplo típico das dificuldades dos filmes independentes para entrarem em cartaz no Brasil.

Divulgação
Igor Cotrim e Simone Spoladore como o improvável casal da comédia brasileira "Elvis & Madona"
Filmada em 2008, finalizada em 2009 e percorrendo extenso circuito de festivais em 2010, a comédia tornou-se um pequeno cult, mas só agora conseguiu estrear, revelando ao grande público um dos casais mais inusitados da história recente do cinema nacional, o travesti Madona (Igor Cotrim, da novela "Mulheres Apaixonadas") e a lésbica Elvis (Simone Spoladore, "Não se Pode Viver Sem Amor" ).

Madona é cabeleireira no salão Divas, em Copacabana, e dá duro para juntar dinheiro. Seu sonho é montar um musical estrelado por drag queens. Mas um dia um ex-amante, o bandidão João Tripé (Sérgio Bezerra), aparece em seu apartamento e leva todas as suas economias, depois de agredi-la.

Quem chega pouco depois é Elvis, motoqueiro que sonha em ser fotógrafo e sobrevive como entregador de pizzas, e veio justamente entregar um pedido de Madona. Depois de socorrê-la, Elvis torna-se grande amigo da cabeleireira. Os dois tornam-se inseparáveis e dividem aventuras. Até que numa noite acontece algo mais e Elvis engravida.

Se, para escrever seu roteiro (premiado no Festival do Rio 2010 ), o diretor Marcelo Laffitte partiu de notícias de jornal, ao elaborar sua história deixou de lado a inspiração inicial - que era o caso de dois travestis, pai e filho, que se envolviam com a mesma mulher - em benefício da criação de uma atmosfera cômica e de grande liberdade.

E, é bom que se diga, nunca desrespeita a inteligência de ninguém nem esbarra no mau gosto ao arriscar-se na transgressão de estereótipos sexuais.

Um dos grandes achados do diretor foi o elenco. Atriz compenetrada e conhecida por papéis sérios, como em "Lavoura Arcaica" (2001), Simone Spoladore nunca exagera na composição da sua Elvis. Carregando sua valente Madona com enérgica simpatia, Igor Cotrim usa a dose certa de glamour e purpurina e não cai no escracho. O resultado é um projeto de família anticonvencional que não faria feio em nenhum filme de Pedro Almodóvar.

Maitê Proença, como a mãe de Elvis, também tem uma cena das mais hilariantes, quando se desenrola a revelação sobre o bebê. É mais uma das surpresas deste filme.

null

    Leia tudo sobre: Elvis & Madonacinema

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG