Lebanon em Veneza - Cinema - iG" /

Cinema de Israel mostra auge com a conquista de Lebanon em Veneza

JERUSALÉM ¿ O desconhecido diretor Samuel Maoz, com o seu claustrofóbico filme Lebanon, do modesto cinema israelense, conquistou o júri e a comenda máxima em um dos mais importantes festivais do circuito internacional de cinema.

EFE |

Divulgação

"Lebanon": visão da guerra do Líbano em 1982 vista de dentro de um tanque do exército

A vitória no Festival Internacional de Cinema de Veneza é o maior êxito cinematográfico de Israel até agora. Desde então, os meios de comunicação israelenses não pararam de ressaltar o feito, mesmo que alguns nem sequer citem o nome do surpreendente "Lebanon", que abocanhou o Leão de Ouro.

Esta foi a estreia de Maoz na direção de um longa-metragem. Até agora, ele havia direcionado sua carreira para a área da cenografia e de produções comerciais. Segundo o especialista em cinema israelense Chiquita Levov, o filme narra às experiências quase autobiográficas do diretor como soldado na guerra do Líbano de 1982.

"Trata-se de um filme antibelicista porque, além da política, a mensagem que transmite é de sofrimento, transfere ao espectador uma sensação que vai da angústia ao repúdio", explica a também crítica de cinema.

Ao receber o prêmio, Maoz disse: "quero dedicá-lo às milhares de pessoas no mundo que voltam da guerra, como eu, aparentemente bem. Se casam e têm filhos, mas em seu interior suas almas permanecem vazias".

Em entrevista à rádio pública no domingo, ele dedicou ainda o prêmio a todos os cineastas, diretores, atores e atrizes de filmes israelenses. "Este prêmio é na realidade para todos eles", ressaltou o diretor, de 47 anos.

AP
O diretor Samuel Maoz segura o Leão de Ouro por seu longa-metragem de estreia

As únicas produções israelenses que anteriormente tinham alcançado algum reconhecimento internacional foram "Or", "Tehilim" ou "The Band's Visit", mas as que curiosamente mais se destacaram nos últimos anos foram Levov, uma denominação de um gênero libanês.

"Trata-se de filmes que abordam a guerra do Líbano de 1982 e que participaram de competições internacionais maiores, como 'Beaufort', 'Valsa com Bashir' e, agora, 'Lebanon'", explica.

Como em "Valsa com Bashir", "Lebanon" também narra uma história pessoal, a do próprio diretor, quem aos 20 anos se viu dentro de um tanque a caminho do Líbano para participar dos combates.

Lembranças pessoais, como a do diretor, marcaram toda uma geração de israelenses que fizeram parte da guerra que menos consenso encontrou entre a população.

Mas ao contrário de Ari Folman em "Valsa com Bashir", Maoz se desvincula da crítica política para concentrar-se nos horrores da disputa e suas consequências, em uma história antibelicista que cativou o júri porque poderia ser a de qualquer pessoa. "Sempre achei que um filme antibelicista não-político era o único caminho para chegar ao espectador".

Segundo o diretor, seu filme fala ao coração a partir do interior de um blindado, no qual qualquer percepção do mundo exterior se limita ao espectro e dimensão do vigilante.

"O filme não fala tanto da realidade da guerra, como da ferida espiritual e psicológica deixada pelo combate, porque na guerra qualquer soldado cai em uma realidade extrema, que nada tem a ver com a vida normal e, depois, é impossível de seguir adiante sem marcas", aponta Maoz.

Os sentimentos dominantes no filme são medo, angústia e claustrofobia, todos muito bem transmitidos ao público por um grupo de atores que inclui Michael Moshonov, Yoav Donat, Itay Tiran, Oshri Cohen e Zohar Strauss, a quem os críticos atribuem grande parte do êxito do longa-metragem.

"É um filme excelente, apesar das severas restrições de espaço para filmá-lo (a trama se desenvolve no interior de um blindado)", ressaltou um especialista.

Apesar do sucesso, os israelenses ainda não conseguir ver a obra que conta um capítulo da sua história. Isso porque as salas comerciais só começarão a exibir o filme a partir de meados de outubro, depois de encerradas as festas do Ano Novo em Israel, época em os cinemas não costumam ser prioridade para ninguém.

Leia as últimas notícias do Festival de Veneza

    Leia tudo sobre: festival de venezaisrael

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG