Bróder fecha competição em Paulínia

Amizade de três homens é posta à prova em drama da periferia paulistana

Marco Tomazzoni |

Divulgação
Jonathan Haagensen e Sílvio Guindade, amigos em cena de Bróder
O último concorrente de ficção do Festival de Paulínia encerrou uma noite com forte temática social, que ainda teve o documentário Lixo Extraordinário e os curtas Ensolarado e Retrovisor . Bróder , estreia em longa-metragem do premiado diretor Jeferson De, é produto de um mergulho no Capão Redondo, na periferia de São Paulo, e foca o reencontro de três amigos de infância, assim como um dos episódios de Cinco Vezes Favela – Agora Por Nós Mesmos (Cacá Diegues, idealizador do filme, é produtor associado de Bróder , assim como Daniel Filho).

Jaiminho (Jonathan Haagensen) é um jogador do futebol europeu que, lesionado, sofre com a expectativa de convocação para a Copa. Pibe (Sílvio Guindane) saiu do bairro onde nasceu para casar com a namorada, grávida. Os dois vão à festa de Macu (Caio Blat, o único paulista do trio), que acaba se envolvendo, justo em seu aniversário, num plano da marginalidade local para pagar uma dívida. As histórias convergem para pôr à prova a amizade de décadas.

Divulgação
O também protagonista Caio Blat
O universo da comunidade é retratado com perfeição, da caracterização dos personagens, a força da família, ao cotidiano, uma gangorra de camaradagem e violência. É emblemática a cena em que os amigos se espantam ao ver um homem baleado na esquina, para depois apertarem as mãos e combinarem animadamente um bar, enquanto a família chora pelo morto. A questão racial também está presente, seja no preconceito da polícia ou no personagem de Blat, um branco que age como negro. O tema é uma constante na obra do diretor – apelidado por Haagensen como o "Spike Lee brasileiro" –, autor do Dogma Feijoada, manifesto para os realizadores negros no país.

De é um cineasta talentoso, criativo, que sabe usar a técnica a seu favor e explorar bem o roteiro. Isso faz com que ele fuja dos clichês da pobreza e torne Bróder relevante, sem o olhar excessivamente carinhoso de diretores como Ricardo Elias ( De Passagem , Os 12 Trabalhos ). A trilha sonora é regada a Jorge Ben e rap paulistano, como o Racionais MCs, quase uma entidade do gênero – De chegou a comentar que Mano Brown talvez seja o maior líder negro desde Zumbi dos Palmares.

O elenco ainda conta com Cássia Kiss, Aílton Graça e é a esperança de que o filme consiga atrair mais público do que uma história como essa normalmente teria. A parceria com a Globo Filmes e distribuição da Columbia/Sony devem fazer com que Bróder , exibido no Festival de Berlim , chegue com mais força a mais lugares. A estreia está prevista para setembro.

* o repórter viajou a convite do festival

    Leia tudo sobre: BróderFestival de PaulíniaJeferson De

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG