Biblioteca do Congresso dos EUA conserva "Bambi" e "Silêncio dos Inocentes"

Outros 22 filmes foram considerados "tesouras nacionais" e serão preservados pelo órgão

EFE |

Divulgação
Anthony Hopkins (à direita) como o temido Dr. Hannibal Lecter em "O Silêncio dos Inocentes"
A Biblioteca do Congresso dos Estados Unidos anunciou nesta quarta-feira que preservará "Bambi", "Forrest Gump", "O Silêncio dos Inocentes" e outros 22 filmes considerados tesouros nacionais, artísticos e culturais, por sua influência na cultura americana.

Os filmes, que cobrem um período que vai de 1912 a 1994, passarão a engrossar o catálogo nacional de filmes do órgão, por representarem "a rica diversidade criativa e cultural do cinema americano", informou a instituição em comunicado.

Siga o iG Cultura no Twitter

O clássico de animação de Walt Disney "Bambi" foi eleito por sua "atemporalidade" e por "deleitar gerações desde sua estreia há cerca de 70 anos", assim como pela forma como esta fábula capta a beleza com suas imagens.

A Biblioteca do Congresso dos EUA elege anualmente 25 filmes para sua preservação, entre as milhares de propostas apresentadas pelo público, por sua importância "cultural, histórica e estética" e sua relevância para a cultura do país.

A partir de agora, as aflições do inocente Forrest Gump, imortalizadas no filme homônimo de Robert Zemeckis, e as desventuras de "El Mariachi", o longa-metragem em espanhol que tirou do anonimato o diretor Robert Rodríguez, serão conservadas como herança cultural.

A lista de 25 filmes inclui clássicos da história do cinema como "Farrapo Humano" de Billy Wilder; "O Cavalo de Ferro", a épica história do oeste americano de John Ford, e "O Garoto", de Charles Chaplin.

Entre as obras mais recentes estão "O Silêncio dos Inocentes", com Jodie Foster e Anthony Hopkins, e a história de violência nas salas de aula de "O Preço do Desafio", do diretor cubano-americano Ramón Menéndez. Todos estes filmes serão submetidos a um processo de conservação e classificação para que possam perdurar para gerações futuras.

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG