Erica Rivas, a atriz argentina que rouba a cena em "Relatos Selvagens"

Por Luísa Pécora , iG São Paulo |

compartilhe

Tamanho do texto

Saiba mais sobre a atriz de 39 anos que estrela a mais divertida história do sucesso de bilheteria que está em cartaz no Brasil

Ator argentino mais conhecido no exterior, Ricardo Darín está bem no centro do pôster de "Relatos Selvagens", filme de Damián Szifron em cartaz no Brasil. Mas é bem provável que o público deixe o cinema com outro rosto na cabeça: o de Erica Rivas.

Leia também: 5 motivos para ver "Relatos Selvagens"
Especial: Saiba tudo sobre a Mostra Internacional de Cinema de São Paulo

A atriz de 39 anos é o grande destaque do longa, que abriu a Mostra Internacional de Cinema de São Paulo e é o candidato da Argentina a uma indicação ao Oscar de filme estrangeiro. Das seis histórias de "Relatos Selvagens", a de Rivas é a última e a mais divertida: a de uma noiva que decide se vingar do marido após descobrir, em plena festa de casamento, que ele tem um caso com uma colega de trabalho.

Imagem do filme 'Relatos Selvagens'. Foto: DivulgaçãoRicardo Darín em cena de 'Relatos Selvagens', filme de abertura da Mostra. Foto: DivulgaçãoImagem do filme 'Relatos Selvagens'. Foto: DivulgaçãoImagem do filme 'Relatos Selvagens'. Foto: DivulgaçãoImagem do filme 'Relatos Selvagens'. Foto: DivulgaçãoImagem do filme 'Relatos Selvagens'. Foto: DivulgaçãoImagem do filme 'Relatos Selvagens'. Foto: DivulgaçãoImagem do filme 'Relatos Selvagens'. Foto: Divulgação

A vingança inclui de transar com o cozinheiro do buffet a jogar a amante em um espelho. "Acho que toda atriz gostaria de fazer esse papel. E todo ator também", disse Rivas, em conversa com jornalistas em São Paulo. "Quando li o roteiro, me dei conta de que era exatamente o que queria dizer neste momento da vida."

Leia também: "Relatos Selvagens" faz sucesso com personagens fora de controle

Se preparar para um papel que exige muitas emoções diferentes não foi difícil: "Nasci mulher", brincou. Mas a atriz, que diz nunca ter agido com o descontrole dos personagens de "Relatos Selvagens", também parece ter buscado inspiração na própria família.

"Minha mãe sempre foi uma pessoa de explosões violentas", contou. "Por graça divina ela não sabia colocar bombas, era professora de literatura. E por sorte [não explodia] com a gente, mas com as injustiças sociais. Ficava toda vermelha."

Aline Arruda/Agência Foto
A atriz Erica Rivas na abertura da Mostra Internacional de Cinema de São Paulo (15/10/2014)

"Algo de bom devo ter feito"

Os pais professores não apoiaram Rivas no sonho de ser atriz: ela teve que pagar os estudos sozinha e cursar psicologia, mesmo sem querer seguir a profissão.

"Meu pai dizia: 'Vai sair de novo? Ontem você já saiu'. E eu dizia: 'Mas pai, ontem fui fazer teatro, e hoje também", afirmou. "Eles não eram más pessoas, mas não sabiam como me ajudar."

Participar de festivais internacionais e ser descoberta por plateias do mundo inteiro é uma sensação e tanto para a atriz, que até agora era mais conhecida por "Casados con Hijos", versão argentina da série "Married with Children" - justo ela, que se irrita quando vê televisão e tirou o aparelho de casa.

"Durante muitos anos senti que não estava fazendo as coisas bem", afirmou. "Que isso [o sucesso] me aconteça agora, prestes a fazer 40 anos, depois de tanto trabalho, tantas voltas e angústias...penso que algo de bom devo ter feito. Não sei se sou boa atriz, mas acho que transmito minha felicidade atual."

Intercâmbio com o Brasil

Atualmente no teatro, Rivas se prepara para um filme com o argentino Ariel Rotter e para outra peça, esta com Darín, que será encenada em Mar del Plata no verão.

Ela não tem planos de tentar carreira em Hollywood ("gosto de alguns filmes, mas o cinema americano em geral não me interessa"), mas gostaria que houvesse maior relação entre os cinemas de Brasil e Argentina.

"Os filmes não chegam, nem mesmo as comédias mais básicas, menos profundas. Só as novelas", diz. "Talvez porque as pessoas estejam acostumadas ao modo de contar histórias dos Estados Unidos. Ou por sermos um mercado pequeno, que talvez não interesse [aos brasileiros]. Mas acho que ganharíamos muito com o intercâmbio."

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas