"O Último Concerto" traz Philip Seymour Hoffman em um de seus derradeiros papéis

Por Reuters |

compartilhe

Tamanho do texto

Filme conta história de músicos de quarteto de cordas que descobrem que um dos integrantes sofre de doença degenerativa

Reuters

Um dos últimos trabalhos do ator norte-americano Philip Seymour Hoffman (morto em fevereiro passado), “O Último Concerto” desperta interesse pelo seu elenco competente, que também inclui Christopher Walken e Catherine Keener. Ao lado do personagem de Mark Ivanir, eles formam um quarteto de cordas, que tenta fazer sua última apresentação, quando descobrem que o músico mais velho tem uma doença degenerativa e não conseguirá mais tocar.

Divulgação
Imagem do filme 'O Último Concerto'

Prestes a completar o 25º aniversário, o grupo começa a desintegrar, quando seu segundo celista, Peter (Walken), é diagnosticado com Parkinson. Robert (Hoffman) também já não aguenta ser o coadjuvante do violinista David (Ivanir), e sua mulher, Juliette (Keener), não anda muito contente com o casamento.

Dirigido pelo documentarista Yaron Zilberman, o filme acompanha os últimos dias desse grupo agonizante que tenta acertar as diferenças para fazer uma última apresentação. É nesse momento que todas as frustrações e decepções que foram se acumulando vêm à tona. O filme revela a parceria e cumplicidade que existem quando estão juntos no palco, e também como tudo isso pode ser destruído quando se desafina uma simples nota.

Alexandra (Imogen Poots) é a filha de Robert e Juliette, que tenta uma carreira também como violinista. Mas ela parece estar mais interessada em testar a fidelidade de seu professor, David, com os colegas de grupo do que construir sua carreira.

Quando ela se envolve amorosamente com David, o quarteto, então, realmente parece estar fadado ao seu fim, pois não há amizade que resista a tamanha provação.

A cena é uma Nova York de classe alta bem próxima dos filmes de Woody Allen, mas ao contrário dos filmes dele, aqui não há humor – e isso faz falta. O longa de Zilberman é sério, pomposo, encara a arte e o trabalho do artista numa esfera superior, encobrindo todo o esforço da produção numa simples busca pelo sublime – quando o trabalho em si é muito mais do que apenas isso.

Leia tudo sobre: o último concertocinema

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas