Atriz que já ganhou o Oscar duas vezes está na comédia "Sete Dias Sem Fim", ao lado de nomes como Tina Fey, Jason Bateman e Adam Driver

Reuters

Para a atriz Jane Fonda, uma das bênçãos de se envelhecer é que “você aprende o que consegue e o que não consegue fazer”, e ela admite abertamente não ser capaz de improvisos cômicos.

Jane tem 55 anos de carreira e dois Oscar de melhor atriz na prateleira, o de 1978 por "Amargo Regresso" e o de 1972 por "Klute".

Jane Fonda no Festival de Berlim 2013
Getty Images
Jane Fonda no Festival de Berlim 2013

Mas em sua nova comédia, "Sete Dias Sem Fim”, ela ficou maravilhada com a capacidade dos colegas Tina Fey, Jason Bateman, Adam Driver e Ben Schwartz de sair do roteiro.

Fonda falou à Reuters sobre interpretar a mãe animada de uma família problemática, da química com o elenco e de seu novo ator favorito.

Pergunta: O que a atraiu no papel de Hilary?
Jane Fonda: Bem, estou com 76 anos e é incomum encontrar uma personagem multidimensional, divertida, atrevida e ainda libidinosa. As pessoas não escrevem muitos tipos de papel como este para mulheres mais velhas.
Gostei do fato de que foi um filme muito bem escrito e com muitas camadas. É engraçado, mas também contundente. Isso não acontece tanto quanto deveria, e estou muito orgulhosa por a Warner Bros ter apoiado um filme como este. Hoje em dia a maioria dos estúdios vai atrás de apostas certas e efeitos especiais, então eu quis que este filme se saísse bem para estimular mais estúdios a fazer filmes parecidos.

Jane Fonda em 'Sete Dias Sem Fim'
Divulgação
Jane Fonda em 'Sete Dias Sem Fim'

Pergunta: Como foi a química no set de filmagem?
Jane Fonda: Nós nos demos muito bem. Filmamos em uma casa em Long Island (ilha no Estado de Nova York), simplesmente fomos para lá para trabalhar de manhã e ficamos e nos conhecemos. Não víamos a hora de ir para o trabalho.

Pergunta: Você se sentiu a anciã estadista do elenco?
Jane Fonda: Não, eu me senti como uma aluna, porque não consigo fazer o que eles fazem. Não sei improvisar. Improvisei a maior parte de "Amargo Regresso", mas não sei improvisar em comédia. Fiz comédias, como as de Neil Simon, mas você diz as palavras escritas e não improvisa.
Eles têm um outro dom. Quando o filme terminou, Ben Schwartz me levou ao Upright Citizens Brigade (grupo de comédia de improviso e de esquetes surgido em Chicago em 1990) e tentei. Você tem que ter nascido com esse gene, aí você o lapida e o melhora. Mas se não nasceu, não consegue. Eu não tenho esse tipo de cérebro.
Então, só assisti maravilhada e prestei muita atenção a Adam Driver. Sabe, você pode ficar assistindo àquele cara para sempre e ficar fascinada. Eu o vi uma vez na série 'Girls’, e na primeira leitura coletiva do filme pensei ‘Ah meu Deus, nunca vi isso antes’. Ele é simplesmente único, e é meu novo ator favorito.

Pergunta: Você está procurando mais papéis cômicos?
Jane Fonda: Estou fazendo uma série com Lily Tomlin para (o canal de Internet) Netflix que, como este filme, também tem drama.
Adoro fazer comédia. Também adoraria voltar a fazer um drama. Você vai pelo texto. Segue o texto bom. Se está bem escrito, você embarca.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.