"Faroeste Caboclo" é o grande vencedor do Prêmio do Cinema Brasileiro

Por Nina Ramos , iG Rio de Janeiro | - Atualizada às

compartilhe

Tamanho do texto

Conhecido como Oscar brasileiro, evento aconteceu na noite de terça (26) e homenageou o cineasta Domingos de Oliveira

AgNews
Fabrício Boliveira é escolhido melhor ator

A noite de terça-feira (26) foi de gala para a classe artística. No palco do Theatro Municipal do Rio de Janeiro aconteceu a 13º edição do Grande Prêmio do Cinema Brasileiro, chamado por alguns de Oscar brasileiro. Liderando a lista dos vencedores, “Faroeste Caboclo” e sua equipe levaram para casa sete troféus Grande Otelo, incluindo o de Melhor Longa-Metragem de Ficção, último prêmio anunciado da noite.

"Este filme é muito pessoal, apesar de ser comercial", disse o diretor Rene Sampaio ao receber a honraria. “O que o País precisa é que todo mundo tenha espaço nas salas de cinema, seja um filme pequeno ou grande. A nossa meta é que o governo ajude a manter nossos filmes mais tempo nas salas. Só a gente sabe como é difícil”, discursou.

“Faroeste Caboclo” ainda faturou as categorias Melhor Roteiro Adaptado, Melhor Montagem Ficção, Melhor Trilha Sonora Original, Melhor Som, Melhor Direção de Fotografia e Melhor Ator, com Fabrício Boliveira, que na história viveu João de Santo Cristo. Na categoria Melhor Atriz, Isis Valverde, que interpretou Maria Lucia, perdeu o troféu para Gloria Pires, por “Flores Raras”.

"Digo que já ganhei um prêmio por estar concorrendo com grandes atrizes, como a Fernandona (Montenegro), Gloria (Pires), Sophie (Charlotte), que tem crescido bastante... É um time bacana", disse a atriz ao iG.

Aliás, por falar em Gloria (representada pela filha Ana), a ausência de grandes nomes, que estavam indicados ou não, foi sentida. Alguns deles: Fernanda Montenegro, Leandra Leal, Paulo Gustavo, Irandhir Santos, Fábio Porchat, entre outros. Novidade este ano foi a nova categoria de Melhor Longa-Metragem Comédia, vencida por “Cine Holliúdy”, de Halder Gomes. A trama faturou também o Melhor Longa de Ficção pelo Voto Popular.

“Eu dedico esse prêmio para todo o povo da comédia, para todos os comediantes do Brasil. Agradeço também ao Ceará, que fez o filme ser o mais visto de todos os tempos. Bateu até Titanic! Confio muito no meu público, é pesado mesmo. Não tem coisa mais difícil no mundo do que fazer um filme. O cara que faz um filme pode fazer o que ele quiser, pode ser astronauta, pode ser o que ele quiser”, brincou Halder em seu discurso de agradecimento.

Ísis Valverde, a Maria Lúcia do triângulo Amoroso da história. Foto: DivulgaçãoImagem do filme 'Faroeste Caboclo'. Foto: DivulgaçãoImagem do filme 'Faroeste Caboclo'. Foto: DivulgaçãoImagem do filme 'Faroeste Caboclo'. Foto: DivulgaçãoFabrício Boliveira na favela cenográfica nos arredores de Brasília. Foto: DivulgaçãoFabrício Boliveira no papel de João de Santo Cristo. Foto: DivulgaçãoImagem do filme 'Faroeste Caboclo'. Foto: DivulgaçãoImagem do filme 'Faroeste Caboclo'. Foto: DivulgaçãoImagem do filme 'Faroeste Caboclo'. Foto: DivulgaçãoImagem do filme 'Faroeste Caboclo'. Foto: DivulgaçãoImagem do filme 'Faroeste Caboclo'. Foto: Divulgação

A apresentação da premiação ficou sob responsabilidade do casal Maria Ribeiro e Caio Blat, que desenvolveu a cerimônia de forma bastante agradável, sempre brincando de contracenar com o filme "Todas as Mulheres dos Mundo", de 1966, um dos clássicos de Domingos de Oliveira, o homenageado da noite. No final da festa, o próprio Domingos, amparado pela família, subiu ao palco para agradecer os aplausos.

“Uma homenagem dessas precisa de uma prestação de conta. Estou bem, trabalho, moro no Leblon, estou vivo. Não admito que ninguém diga que tem uma vida melhor que a minha”, brincou, com dificuldade na fala e com repetitivos movimentos com as mãos por causa do Parkinson.

"Sei que a sociedade de consumo privilegia sempre o jovem. Tem muita gente que não me suporta. Velho pessimista dá para suportar, mas velho otimista é dose", disparou, arrancando risadas dos presentes.

Ao seu lado, a família escutava cada palavra de Domingos, e Paulo José, também vítima da mesma doença, reviu suas cenas com Leila Diniz em “Todas as Mulheres dos Mundo" e aplaudiu o colega. Domingos continuou: “Sou um campeão de auto-estima. Aprendi que você só pode gostar dos outros quando você gosta de si mesmo. E eu me adoro. É um prazer danado estar aqui”, disse.

Confira abaixo a lista completa dos vencedores:

MELHOR ROTEIRO ORIGINAL
Kleber Mendonça Filho, por "O Som ao Redor"

MELHOR ROTEIRO ADAPTADO
Marcos Bernstein e Victor Atherino – adaptado da música “Faroeste Caboclo” de Renato Russo, Legião Urbana – por "Faroeste Caboclo"

MELHOR MONTAGEM DOCUMENTÁRIO
Marília Moraes e Tina Baz, por "Elena"

MELHOR MONTAGEM FICÇÃO
Marcio Hashimoto, por "Faroeste Caboclo"

MELHOR EFEITO VISUAL
Daniel Greco e Bruno Monteiro, por "Uma História de Amor e Fúria"
Robson Sartori, por "Serra Pelada"

MELHOR FIGURINO
Marcelo Pies, por "Flores Raras"

MELHOR MAQUIAGEM
Siva Rama Terra, por "Serra Pelada"

MELHOR DIREÇÃO DE ARTE
José Joaquim Salles, por "Flores Raras"

MELHOR CURTA-METRAGEM ANIMAÇÃO
"O Menino que Sabia Voar", de Douglas Alves Ferreira

MELHOR CURTA-METRAGEM DOCUMENTÁRIO
"A Guerra dos Gibis", de Thiago Brandimarte Mendonça e Rafael Terpins

MELHOR CURTA-METRAGEM FICÇÃO
"Flerte" de Hsu Chien

MELHOR TRILHA SONORA
Paulo Jobim por "A Luz do Tom"

MELHOR TRILHA SONORA ORIGINAL
Phillipe Seabra por "Faroeste Caboclo"

MELHOR SOM
Leandro Lima, Miriam Biderman, ABC, Ricardo Chuí e Paulo Gama por "Faroeste Caboclo"

MELHOR LONGA–METRAGEM ESTRANGEIRO
"Django Livre"/Django Unchained de Quentin Tarantino. Distribuição: Sony Pictures

MELHOR LONGA-METRAGEM DE ANIMAÇÃO
"Uma História de Amor e Fúria", de Luiz Bolognesi. Produção: Caio Gullane, Fabiano Gullane, Débora Ivanov e Gabriel Lacerda por Gullane Entretenimento, Laís Bodanzky, Luiz Bolognesi e Marcos Barreto por Buriti Filmes

MELHOR LONGA-METRAGEM INFANTIL
"Meu Pé de Laranja Lima", de Marcos Bernstein. Produção: Katia Machado por Pássaros Films do Brasil Audiovisuais Ltda.

MELHOR LONGA–METRAGEM DOCUMENTÁRIO
"A Luz do Tom", de Nelson Pereira dos Santos. Produção: Márcia Pereira dos Santos por Regina Filmes Ltda e Maurício Andrade Ramos por Videofilmes

MELHOR LONGA-METRAGEM COMÉDIA
"Cine Holliúdy", de Halder Gomes. Produção: Halder Gomes e Dayane Queiroz por ATC Entretenimentos

VOTO POPULAR - MELHOR LONGA-METRAGEM ESTRANGEIRO
"Django Livre"/Django Unchained de Quentin Tarantino. Distribuição: Sony Pictures

VOTO POPULAR - MELHOR LONGA-METRAGEM DOCUMENTÁRIO
"Elena", de Petra Costa. Produção: Petra Costa por Busca Vida Filmes

VOTO POPULAR - MELHOR LONGA-METRAGEM DE FICÇÃO
"Cine Holliúdy", de Halder Gomes. Produção: Halder Gomes e Dayane Queiroz por ATC Entretenimentos

MELHOR DIREÇÃO DE FOTOGRAFIA
Gustavo Habda, por "Faroeste Caboclo"

MELHOR ATOR COADJUVANTE
Wagner Moura, como Lindo Rico, por "Serra Pelada"

MELHOR ATRIZ COADJUVANTE
Bianca Comparato, como Carmem Tereza, por "Somos tão Jovens"

MELHOR ATOR
Fabrício Boliveira, como João de Santo Cristo, por "Faroeste Caboclo"

MELHOR ATRIZ
Gloria Pires, como Lota de Macedo Soares, por "Flores Raras"

MELHOR DIREÇÃO
Bruno Barreto por "Flores Raras"

MELHOR LONGA–METRAGEM DE FICÇÃO
"Faroeste Caboclo" de Rene Sampaio. Produção: Bianca De Felippes por Gávea Filmes e Produções, Marcello Maia por República Pureza e René Sampaio por Fogo Cerrado Filmes

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas