Woody Allen explora mundo de ilusões em novo filme, "Magia ao Luar"

Por Reuters |

compartilhe

Tamanho do texto

Longa com Emma Stone e Colin Firth chega aos cinemas brasileiros em 28 de agosto

Reuters

Woody Allen explora os mistérios da ilusão e do amor na comédia "Magia ao Luar", filme inspirado nos videntes dos anos 1920 que foram desbancados pelos mágicos da época.

Há muito tempo o diretor oscarizado sente fascínio pela mágica, tema recorrente em seus filmes. Em sua nova produção, que estreia nos cinemas norte-americanos na sexta-feira, realidade e ilusão se chocam na Côte d'Azur, na França, na segunda década do século 20, quando as sessões espíritas estavam na moda.

Imagem do filme 'Magia ao Luar'. Foto: DivulgaçãoImagem do filme 'Magia ao Luar'. Foto: DivulgaçãoImagem do filme 'Magia ao Luar'. Foto: DivulgaçãoImagem do filme 'Magia ao Luar'. Foto: DivulgaçãoImagem do filme 'Magia ao Luar'. Foto: Divulgação

O diretor, de 78 anos, disse que os falsos médiuns denunciados por Houdini e outros mágicos “me levaram a essa ideia”. “Sou a favor da ilusão”, acrescentou. “Muitas vezes situo filmes no passado porque posso criar uma ilusão de maneira mais hipnotizante.”

Evan Agostini/Invision/AP
Woody Allen e a mulher, Soon-Yi Previn, na estreia de 'Magia ao Luar' em NY (16/07/2014)

Como em “Meia-Noite em Paris", filme mais bem-sucedido de Woody e que rendeu mais de US$ 151 milhões (R$ 335 milhões), "Magia ao Luar" volta à França de 1920 e a um mundo de céus azuis, carros e vestidos que marcaram época, vilas suntuosas e um elenco internacional encabeçado pelo britânico Colin Firth.

O ator, vencedor do Oscar pelo filme “O Discurso do Rei”, interpreta Stanley Crawford, um mestre ilusionista arrogante que se apresenta como o chinês Wei Ling Soo, incluindo roupas e maquiagem elaborados.

Siga o iG Cultura no Twitter

Quando seu amigo e mágico Howard, o também ator britânico Simon McBurney, de “O Espião Que Sabia Demais”, pede a ajuda de Stanley para desmascarar um jovem vidente norte-americano, ele não resiste ao desafio.

“Ele é muito comprometido com seu ofício, tem muito ressentimento de qualquer um que tente se apropriar disso com algo espiritualmente legítimo”, explica Firth.

“Há algo de Henry Higgins (professor do filme “My Fair Lady”) nele, o sujeito se considera o melhor da sua área e desdenha amadores. E é um tremendo esnobe”.

Veja o trailer de "Magia ao Luar":

Emma Stone ("Histórias Cruzadas") é Sophie, uma mulher sedutora que afirma ser capaz de se comunicar com o além e ganha a vida graças a seu dom. Grace, uma viúva rica interpretada pela australiana Jacki Weaver ("O Lado Bom da Vida") e seu filho Brice (Hamish Linklater) ficam convencidos de seu poder.

Stanley a princípio é cético, mas passa a acreditar piamente nos talentos de Sophie, até que eventos inesperados sacodem seu mundo.

“Ele só quer ter certeza de que existe algo mais na vida”, disse Woody, “e que há coisas desconhecidas para nós que são mágicas e incríveis”, e que não temos todas as respostas”.

Leia tudo sobre: woody allenmagia ao luarcinemaemma stonecolin firth

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas