Haddad anuncia edital de R$ 1 milhão para agência de fomento ao cinema SPCine

Por iG São Paulo |

compartilhe

Tamanho do texto

Mais dez filmes terão apoio na distribuição e exibição garantida no Belas Artes; prefeitura diz que salas de rua são prioridade

O prefeito de São Paulo, Fernando Haddad (PT), anunciou nesta quinta-feira (17) um novo edital de R$ 1 milhão para a agência de fomento ao cinema SPCine. Além disso, afirmou que as salas de cinema de rua, como o Belas Artes, que será reinaugurado no sábado, serão ação prioritária da Secretaria Municipal de Cultura.

Leia também: Após campanha e ainda em reforma, Cine Belas Artes reabre no sábado

O hall de entrada e da bilheteria do Cine Caixa Belas Artes. Foto: Luísa Pécora/iGTrabalhadores instalam letreiro do novo Belas Artes. Foto: Luísa Pécora/iGCadeiras já foram instaladas nas salas do Belas Artes. Foto: Luísa Pécora/iGTrabalhadores correm contra o tempo para concluir reforma do Belas Artes. Foto: Luísa Pécora/iGA bomboniere que funcionará no mezanino do Belas Artes. Foto: Luísa Pécora/iGTrabalhadores correm contra o tempo para concluir reforma do Belas Artes. Foto: Luísa Pécora/iGUma das salas do novo Caixa Belas Artes, que será reinaugurado no sábado (19). Foto: Luísa Pécora/iGTrabalhadores correm contra o tempo para concluir reforma do Belas Artes. Foto: Luísa Pécora/iG

Em entrevista coletiva, Haddad afirmou que o novo edital permitirá que mais dez filmes contem com apoio da SPCine no lançamento (inicialmente, R$ 2 milhões tinham sido oferecidos, valor que sobe para R$ 3 milhões com o anúncio). Estes títulos serão exibidos no Cine Caixa Belas Artes, além de outras salas comerciais.

Siga o iG Cultura no Twitter

Reprodução/Facebook
A fachada do novo Cine Caixa Belas Artes, em foto publicada no Facebook

Reduto de cinéfilos na região da Paulista desde 1943, o Belas Artes foi fechado em 2011 por causa da falta de patrocínio e da impossibilidade de o administrador, André Sturm, pagar o aluguel do prédio. Um movimento popular coletou assinaturas e pleiteou a volta do cinema mesmo depois do fechamento, conseguindo o apoio da gestão de Haddad.

O secretário de Cultura, Juca Ferreira, ajudou a retomar o diálogo entre Sturm e o proprietário do prédio, e a assegurar o apoio da Caixa Econômica Federal, que investirá R$ 1,8 milhão ao ano nas operações do cinema, por um período de ao menos 5 anos.

Sem envolver recursos orçamentários, o acordo mediado pela prefeitura determinou que o Belas Artes tenha ingresso mais baixo que o da média das salas da Paulista (o mais caro custará R$ 20) e tenha programa educativo para escolas públicas.

Segundo a prefeitura, a ideia é estabelecer parcerias similares em outros cinemas de rua. A Secretaria já desapropriou o Cine Art Palácio e quer fazer o mesmo com o Cine Ipiranga e o Cine Marrocos, atualmente ocupado por um movimento de moradia popular.

Leia tudo sobre: spcineigspcinemafernando haddadcine belas artes

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas