Atriz volta às telas com "Malévola", seu melhor papel em anos; relembre principais filmes, relacionamentos e polêmicas

Angelina Jolie encontrou em  "Malévola"  um dos melhores papéis de sua carreira, em geral marcada por filmes medianos ou ruins. Uma das maiores estrelas de Hollywood, Jolie passou por marcante transformação ao longo dos anos - de garota rebelde a mãe exemplar.

Crítica: "Malévola" narra a origem da bruxa de "A Bela Adormecida"

Aos 38 anos, Jolie hoje é conhecida pelo trabalho humanitário a favor de crianças, mulheres e refugiados, e pelo relacionamento com o ator Brad Pitt, com quem tem seis filhos. Mas ela também já foi famosa por carregar o sangue do ex-marido e usar drogas.

Relembre a trajetória de Angelina Jolie:

Rebeldia e depressão: Nascida em Los Angeles em 4 de junho de 1975, Angelina cresceu longe do pai, o ator John Voigt, com quem até hoje mantém uma relação conturbada pelo fato de ele ter traído sua mãe, Marcheline Bertrand. Fez tatuagens desde cedo e disse ter experimentado "de tudo" no que diz respeito às drogas. Também afirmou ter sofrido de depressão e se cortado várias vezes durante a juventude.

Começo da carreira: Depois de estrear no cinema aos sete anos em um filme do pai, "Lookin to Get Out", trabalhou como modelo, teve aulas de teatro e em 1995 fez "Hackers". A partir daí foi conseguindo pequenos papéis em comédias e suspenses, como "Rebeldes" (1996), no qual engatou um breve namoro com a atriz Jenny Shimizu. Em 2003, quando questionada sobre se era bissexual, Jolie respondeu: "Claro. Se eu me apaixonar por uma mulher amanhã, sentirei que é ok querer beijá-la e tocá-la? Sim."

Jolie aos 18 anos, em ensaio fotográfico
Divulgação
Jolie aos 18 anos, em ensaio fotográfico

Casamentos e sangue: A atriz foi casada duas vezes, a primeira com Jonny Lee Miller, ator que conheceu no set de "Hackers". A cerimônia do casamento, em 1996, demonstrou a excentricidade do casal: ele usou couro, ela vestiu calças pretas de borracha e uma camiseta branca, na qual escreveu o nome do noivo com seu próprio sangue. Um ano depois, estavam separados. "Éramos muito jovens", disse a atriz.

Em 2000, Jolie se casou com Billy Bob Thorton, que conhecera no set de "Alto Controle". Como prova de amor, os dois tatuaram seus nomes e usavam um frasco do sangue do outro pendurado no pescoço. Em 2002, se separaram. "Da noite para o dia, mudamos completamente e não tínhamos nada em comum", disse ela.

Oscar e beijos no irmão: A carreira começou a crescer com o telefilme "Gia - Fama e Destruição" (1998) e "Garota, Interrompida" (1999), pelo qual ganhou o Oscar de atriz coadjuvante. Na cerimônia, nova polêmica: ao subir ao palco, fez um discurso ambíguo com relação ao irmão, com quem depois trocou beijos na boca.

Estrela de ação: Com o tempo, Jolie passou a apostar mais em filmes de ação do que em papéis dramáticos. Com a franquia "Lara Croft: Tomb Raider" (2001), ganhou fama internacional. Também ganhou cachês altos por "O Procurado" e "Salt".

Brangelina: Jolie conheceu seu atual companheiro no set de "Sr. & Sra. Smith" (2005), quando Pitt ainda era casado com Jennifer Aniston. O escândalo movimentou as revistas de celebridade e transformou os dois no casal mais famoso de Hollywood.

Angelina Jolie conversa com crianças síria em campo de refugiados no Líbano
AP
Angelina Jolie conversa com crianças síria em campo de refugiados no Líbano

Mãe de família: Desde que conheceu Pitt, Jolie deu início à transformação de sua imagem. Deixou os frascos de sangue para trás, lutou contra a fama de devoradora de homens, deu maior visibilidade ao trabalho humanitário (ela é embaixadora da boa vontade das Nações Unidas) e aos seis filhos: três adotados - Maddox, do Camboja, Zahara, da Etiópia, e Pax, do Vietnã - e três da relação com Pitt - Shiloh e os gêmeos Knox e Vivienne.

Foco na direção: A família fez com que Jolie optasse por trabalhar menos - antes de "Malévola", seu último trabalho tinha sido "O Turista", de 2010, além da dublagem em "Kung Fu Panda 2", de 2011. Seu foco é principalmente a direção: ela já fez um documentário, um longa sobre a guerra da Bósnia e em dezembro lança "Unbroken", que tem roteiro dos irmãos Coen.

Prevenção contra câncer: Em 2013, Jolie anunciou ter se submetido a uma mastectomia dupla (retirada dos seios) para reduzir suas chances de desenvolver câncer de mama. Em um artigo publicado no "The New York Times", escreveu que os médicos estimaram que ela tinha um risco de 87% de desenvolver câncer de mama e de 50% de ter câncer de ovário. "Decidi ser proativa e reduzir o risco o máximo que eu podia."

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.