Guilherme Fontes diz que "Chatô" vai chegar aos cinemas ainda este ano

Por iG São Paulo | - Atualizada às

compartilhe

Tamanho do texto

Em entrevista à revista "Status", ator e diretor diz ter sido vítima de conspiração e que "só está faltando um dinheirinho" para trilha sonora e computação gráfica

TV Globo
O ator Guilherme Fontes, diretor de 'Chatô'

O ator e diretor Guilherme Fontes afirmou que o filme "Chatô - O Rei do Brasil" vai chegar aos cinemas ainda em 2014. O longa, que teve produção interrompida na década de 1990, seria sua estreia na direção.

Guilherme Fontes: "Tive que fazer novela atrás de novela para bancar 'Chatô'"

"Vou estrear este ano. E vai ser uma coisa muito louca. As pessoas vão se surpreender. Está quase, está quase", afirmou Fontes, em entrevista à revista "Status".

"(O filme) está com 1 hora e 53 minutos. Acabou. Levei três anos para filmar 80% e quase 14 para fazer 20%. Está faltando um dinheirinho para fazer a trilha sonora e a computação gráfica."

A novela envolvendo "Chatô" se arrasta desde os anos 1990, quando Fontes conseguiu autorização do Ministério da Cultura para captar R$ 12,5 milhões através da Lei Rouanet, uma produção de grande porte até para os padrões atuais – corrigido, o valor corresponde a R$ 50 milhões.

Siga o iG Cultura no Twitter

As filmagens começaram em 1999, com Marco Ricca no papel do empresário das comunicações Assis Chateaubriand, e roteiro baseado no livro de Fernando Morais. Mas logo suspeitas nas prestações de contas interromperam o repasse de recursos e, consequentemente, as gravações - que foram retomadas três anos depois.

Porém, o filme não veio a público e Fontes virou alvo constante de processos de sonegação fiscal e de ações para devolver o dinheiro, o que não ocorreu, apesar das condenações.

Na entrevista à revista "Status", o ator disse que fez  novas filmagens em 2004, chamou as condenações de "piada" e disse que "nunca desviou um real". "O Brasil é fake! É uma história complicada”, afirmou, acrescentando ter sido vítima de uma conspiração.

“Os nomes são terríveis, envolvem pessoas famosas e respeitadas. Não há condições de citá-los. Tenho na cabeça uma peça de teatro com o título: ‘Esse otário sou eu’. É assim como eu me sinto."

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas