Novo "Capitão América" aposta em excessos: muitas lutas, barulhos e surpresas

Por Luísa Pécora , iG São Paulo | - Atualizada às

compartilhe

Tamanho do texto

Elenco comandado por Chris Evans é o ponto forte de "O Soldado Invernal", segundo filme da franquia da Marvel

"Efeito 'Os Vingadores'" foi o nome dado ao impulso que todos os filmes da Marvel receberam após a superprodução que reuniu seus principais super-heróis arrecadar US$ 1,5 bilhão (R$ 3,3 bilhões) pelo mundo e ampliar o interesse do público por cada personagem.

Leia também: Efeito “Os Vingadores” impulsiona lançamentos da Marvel
I
nfográfico: Veja a história visual do Capitão América

Aconteceu com "Homem de Ferro 3", com "Thor: O Mundo Sombrio" e agora com "Capitão América - O Soldado Invernal", que chega aos cinemas brasileiros nesta quinta-feira (10) após quebrar recordes de bilheteria nos Estados Unidos, arrecadando 49% mais do que o primeiro filme na semana de estreia. Diante de tanto sucesso, não surpreende que o terceiro longa da franquia já esteja garantido para 2016.

Imagem do filme 'Capitão América - O Soldado Invernal'. Foto: DivulgaçãoSebastian Stan em cena do filme  'Capitão América - O Soldado Invernal'. Foto: DivulgaçãoImagem do filme 'Capitão América - O Soldado Invernal'. Foto: DivulgaçãoImagem do filme 'Capitão América - O Soldado Invernal'. Foto: DivulgaçãoImagem do filme 'Capitão América - O Soldado Invernal'. Foto: DivulgaçãoImagem do filme 'Capitão América - O Soldado Invernal'. Foto: DivulgaçãoImagem do filme 'Capitão América - O Soldado Invernal'. Foto: DivulgaçãoImagem do filme 'Capitão América - O Soldado Invernal'. Foto: Divulgação

Quando "Capitão América - O Primeiro Vingador" foi lançado, em 2011, chamou atenção pelo estilo mais "old school", resultado da ambientação na Segunda Guerra Mundial e de um ritmo mais lento, focado na apresentação no herói.

"O Soldado Invernal" caminha em outra direção: tem muito mais cenas de ação e aposta nelas desde o começo. A trama se desenvolve a partir de onde "Os Vingadores" parou, com Steve Rogers (Chris Evans) vivendo na capital norte-americana, Washington, e tentando se adaptar à vida contemporânea, após décadas congelado.

Siga o iG Cultura no Twitter

Após ser escalado para salvar um navio sequestrado, numa missão conjunta com a S.H.I.E.L.D., ele descobre que a agência possui um projeto chamado Insight: enormes armamentos aéreos que, ligados a satélites espiões, podem eliminar milhares de alvos antes mesmo de eles cometerem qualquer crime - um misto de ataques preventivos da era George W. Bush com o mundo de espionagem exposto por Edward Snowden.

Veja um preview de "Capitão América - O Soldado Invernal":

No entanto, Nick Fury (Samuel L. Jackson) suspeita que há algo de errado com o projeto Insight, e fica a cargo de Rogers investigar uma conspiração na S.H.I.E.L.D. A tarefa se complica quando Alexander Pierce (Roberd Redford), o chefão da agência, declara o Capitão América como fugitivo, e quando o herói cruza o caminho de uma misteriosa e perigosa figura conhecida como Soldado Invernal (Sebastian Stan), sobre o qual não convém falar muito, para não estragar a surpresa.

Divulgação
Robert Redford é destaque de 'Capitão América - O Soldado Invernal'

Ao seu lado, Rogers tem a Viúva Negra (Scarlett Johansson) e o ex-veterano de guerra Falcão (Anthony Mackie), dois personagens que se destacam diante do bom mocismo sem graça do Capitão América.

Johansson tem o que talvez seja a personagem feminina mais complexa da Marvel, com direito a boas cenas de luta; Mackie, um talentoso ator revelado por "Guerra ao Terror", agarra o pouco tempo que tem em cena esbanjando carisma e fazendo belos voos no ar com um moderno traje voador.

O elenco é, sem dúvida, o ponto forte de "Soldado Invernal", principalmente no que diz respeito a Jackson e Redford, veteranos que dão peso à história. As lutas também são bem coreografadas, especialmente a que acontece dentro de um elevador, mas pecam pela quantidade: são muitas, e intercaladas a tantas explosões e perseguições de carro, que se tornam cansativas. O mesmo pode se dizer do roteiro, que se atrapalha conforme se abre em várias frentes, vilões e questões políticas.

Como a maior parte dos blockbusters atuais, "Capitão América" segue o princípio do "mais é mais": mais efeitos especiais, mais barulho, mais surpresas, mais um combatezinho quando a gente pensava que já tinha ficado tudo bem. O que significa dizer que é um filme satisfatório dentro de seu gênero, com tudo o que deveria ter, mas incapaz de ir além da fórmula.

Leia tudo sobre: capitão américasoldado invernalcinemachris evansmarvelquadrinhos

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas