Festival de Berlim começa com filme de Wes Anderson e luto por Seymour Hoffman

Por iG São Paulo |

compartilhe

Tamanho do texto

Ator, que foi encontrado morto no domingo (3), iria ao evento para promover "God's Pocket"

A morte do prestigiado ator norte-americano Philip Seymour Hoffman por uma aparente overdose entristeceu a abertura do 64º Festival de Cinema de Berlim nesta quinta-feira, que teve a estreia da comédia "The Grand Budapest Hotel", do diretor Wes Anderson.

Hoffman era esperado em Berlim para promover seu filme "God's Pocket", exibido no Festival de Sundance. O presidente do júri, o produtor cinematográfico e roteirista James Schamus, disse que Hoffman estará lá em espírito.

Leia também: Philip Seymour Hoffman em sete personagens

Bill Murray e as atrizes Léa Seydoux e Saoirse Ronan na sessão de gala de 'The Grand Budapest Hotel' (06/02). Foto: APMembro do júri, Trinie Dyrholm posa para fotos em Berlim (06/02). Foto: APO diretor Wes Anderson e o ator Bill Murray no Festival de Berlim (06/02). Foto: APA atriz Greta Gerwig no tapete vermelho do Festival de Berlim (06/02). Foto: APChristoph Waltz, membro do júri, no tapete vermelho do Festival de Berlim (06/02). Foto: APBill Murray dá autógrafos no Festival de Berlim (06/02). Foto: APWes Anderson na entrevista coletiva sobre 'The Grand Budapest Hotel' (06/02). Foto: APO ator Ralph Fiennes na entrevista coletiva sobre 'The Grand Budapest Hotel' (06/02). Foto: APA equipe do filme 'The Grand Budapest Hotel' em Berlim (06/02). Foto: APOs membros do júri do Festival de Berlim (06/02). Foto: APO presidente do júri, James Schamus (06/02). Foto: AP

"A notícia foi muito dura para todos nós", disse Schamus em uma coletiva de imprensa na qual todos os membros do júri estavam presentes.

"Philip Seymour Hoffman estará aqui e eu sei que muitos de seus amigos vão se reunir para recordá-lo. São lugares como Berlim que concedem um espaço para lembrar, lamentar e celebrar, e acho que vocês podem ficar sossegados porque ele estará aqui."

Wes Anderson

O filme de Anderson, uma ficção histórica, tem Ralph Fiennes no papel de um famoso recepcionista que corteja viúvas loiras octogenárias em um hotel alpino de um imaginário país da Europa Central nos anos 1930.

O elenco também inclui Bill Murray, F. Murray Abraham e a atriz inglesa Tilda Swinton, bem como o relativamente pouco conhecido jovem ator Tony Revolori, da Califórnia, e a atriz irlandesa Saoirse Ronan ("Reparação").

Anderson fez uma série de comédias inusitadas, incluindo "Os Excêntricos Tenenbaums", "A Vida Marinha com Steve Zissou" e "Moonrise Kingdom". Ele disse que para este filme, rodado em um hotel alemão na fronteira tcheco-polonesa, se inspirou nas obras do romancista austríaco Stefan Zweig, que se tornou conhecido na Europa nos anos 1930 e 1940.

Siga o iG Cultura no Twitter

AP
Philip Seymour Hoffman posa para fotos no Festival de Sundance, em janeiro

Quando um jornalista norte-americano perguntou quem era Zweig, Anderson disse: "Stefan Zweig não foi popular na América ou em inglês por vários anos, somente, principalmente, nos últimos oito anos ele voltou a ser publicado... mas eu acho que as pessoas na Europa ficam surpresa por não conhecermos esse autor".

"Eu li seu livro ‘Coração Inquieto', que foi o primeiro dele que eu li vários anos atrás... embora nossa história não se baseie em nenhuma de suas histórias, há (no filme) algo como mecanismos e a atmosfera. Minha intenção era fazer a nossa versão de uma história de Zweig.'

Na entrevista também perguntaram a Anderson como ele conseguiu reunir um elenco tão notável, o que levou o ator e comediante Murray a dizer que ele agarrou a oportunidade porque "nos prometeram muitas horas e baixos salários".

Num tom mais sério, Murray disse ter participado de vários filmes de Anderson para "permitir que Wes viva esta vida mágica, maravilhosa onde esse sonho que escapa se torna realidade".

O filme se passa em Zubrowka, um pastiche de vários países da Europa Central, e envolve a herança de uma rica viúva, as intrigas em sua família, a ascensão de fascistas com um slogan do tipo suástica e, no núcleo do filme, a relação entre o personagem de Fiennes, Monsieur Gustave, e o de Revolori, como um carregador de malas de hotel chamado Zero.

Com Reuters

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas