Corpo do cineasta Eduardo Coutinho será enterrado nesta segunda-feira no Rio

Por iG São Paulo |

compartilhe

Tamanho do texto

Documentarista foi morto a facadas em sua casa neste domingo (2); o filho foi preso em flagrante

O corpo do cineasta Eduardo Coutinho será enterrado nesta segunda-feira (3) no Cemitério São João Batista, no bairro do Botafogo, no Rio de Janeiro. O diretor, um dos principais nomes do cinema nacional, foi morto a facadas pelo filho no domingo (2). Ele tinha 80 anos.

O velório começará a partir das 10h e o enterro está marcado para 16h. Nesta segunda, a presidente Dilma Rousseff lamentou a morte de Coutinho, a quem chamou de "o maior documentarista" do País.

Leia também: Cineasta Eduardo Coutinho é assassinado no Rio
Repercussão: "Coutinho era um dos maiores cineastas do Brasil"

Eduardo Coutinho autografa livro sobre ele no Cinesesc (25/10). Foto: Divulgação'Teodorico, o Imperador do Sertão', de Eduardo Coutinho (1978). Foto: DivulgaçãoEduardo Coutinho nas gravações do documentário "Cabra Marcado para Morrer". Foto: DivulgaçãoMoscou. Foto: DivulgaçãoEduardo Coutinho. Foto: George MagaraiaEduardo Coutinho. Foto: Mario Miranda/Agência FotoEduardo Coutinho é tema de retrospectiva na Mostra de Cinema de SP. Foto: DivulgaçãoEduardo Coutinho na Flip 2013. Foto: Walter Craveiro/Divulgação

"Coutinho deixava que os personagens contassem suas histórias com suas próprias palavras, criando assim uma relação direta com o expectador (sic)", escreveu Rousseff no Twitter.

A Polícia Civil do Rio de Janeiro diz não ter dúvida de que Daniel Coutinho, 41 anos, matou o pai, tentou assassinar a mãe, Maria das Dores Oliveira Coutinho, de 61 anos, e depois tentou o suicídio. Ele supostamente sofre de esquizofrenia.

Segundo o titular da Divisão de Homicídio, Rivaldo Barbosa, após, cometer o crime, Daniel saiu do apartamento e bateu na porta de vizinhos dizendo “frases desconexas, desordenadas e sem concatenar as ideias”.

Leia também: "Eu libertei meu pai", disse filho de cineasta após o crime

“O que aconteceu foi a máxima expressão da palavra tragédia. Parece que foi um surto psicótico. Após cometer o crime, ele [Daniel] disse para os vizinhos: 'Eu libertei meu pai e minha mãe. Tentei me libertar, me furei duas vezes, mas nada aconteceu’”, afirmou o delegado.

Barbosa disse que Daniel matou o pai primeiro e depois atacou a mãe, que, mesmo ferida, conseguiu se desvencilhar e se esconder no banheiro, de onde ligou para um irmão e relatou o que estava acontecendo. Ela foi socorrida pelo Corpo de Bombeiros, que foi acionado pelos vizinhos.

Ainda de acordo com o delegado, Daniel abriu a porta para que o resgate pudesse ser feito e em nenhum momento ofereceu resistência. Daniel será acompanhado por um psicólogo da Polícia Civil, segundo Barbosa.

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas