Felipe Joffily defende franquias e comédias: "Os outros gêneros se fortalecerão"

Por Luísa Pécora , iG São Paulo |

compartilhe

Tamanho do texto

Em vídeo, diretor de "Muita Calma Nessa Hora 2" fala com animação sobre o cinema brasileiro atual

O filme "Muita Calma Nessa Hora 2", que estreou na sexta-feira (17), é mais uma comédia brasileira que atinge o status de franquia - uma tendência do mercado norte-americano que já se tornou realidade no cenário nacional.

Crítica: "Muita Calma Nessa Hora 2" diverte com clichês do mundo jovem

"Quero fazer o 3, o 4, o 5. Não me interessa que os americanos façam ou não. Para mim o fundamento é outro", disse Felipe Joffily, diretor de "Muita Calma Nessa Hora 2", em entrevista ao iG. "Se a gente não se corrompe, mantém um padrão cultural nos trabalhos. É a oportunidade de rever as pessoas e fazer, de novo, alguma coisa que dá prazer."

Veja a entrevista do iG com Felipe Joffily:

Para o diretor, a pressão do mercado por franquias, que são vistas como sucesso comercial praticamente garantido, não precisa afetar o resultado artístico.

"Tem um cara de terno atrás da gente que às vezes fica apontando as coisas, dizendo e assinando os cheques. Mas isso agora não me interessa, porque na hora de falar para o ator se ele vai rir ou chorar, quem vai falar sou eu."

Vídeo: "Artista está sujeito a ser satirizado", diz Bruno Mazzeo

Imagem do filme 'Muita Calma Nessa Hora 2'. Foto: Tatiana Guinle/DivulgaçãoImagem do filme 'Muita Calma Nessa Hora 2'. Foto: Tatiana Guinle/DivulgaçãoImagem do filme 'Muita Calma Nessa Hora 2'. Foto: Tatiana Guinle/DivulgaçãoImagem do filme 'Muita Calma Nessa Hora 2'. Foto: Tatiana Guinle/DivulgaçãoImagem do filme 'Muita Calma Nessa Hora 2'. Foto: Tatiana Guinle/DivulgaçãoImagem do filme 'Muita Calma Nessa Hora 2'. Foto: Tatiana Guinle/DivulgaçãoImagem do filme 'Muita Calma Nessa Hora 2'. Foto: Tatiana Guinle/DivulgaçãoImagem do filme 'Muita Calma Nessa Hora 2'. Foto: Tatiana Guinle/DivulgaçãoImagem do filme 'Muita Calma Nessa Hora 2'. Foto: Tatiana Guinle/DivulgaçãoImagem do filme 'Muita Calma Nessa Hora 2'. Foto: Tatiana Guinle/DivulgaçãoImagem do filme 'Muita Calma Nessa Hora 2'. Foto: Tatiana Guinle/DivulgaçãoImagem do filme 'Muita Calma Nessa Hora 2'. Foto: Tatiana Guinle/DivulgaçãoImagem do filme 'Muita Calma Nessa Hora 2'. Foto: Tatiana Guinle/DivulgaçãoImagem do filme 'Muita Calma Nessa Hora 2'. Foto: Tatiana Guinle/DivulgaçãoImagem do filme 'Muita Calma Nessa Hora 2'. Foto: Tatiana Guinle/DivulgaçãoImagem do filme 'Muita Calma Nessa Hora 2'. Foto: Tatiana Guinle/DivulgaçãoImagem do filme 'Muita Calma Nessa Hora 2'. Foto: Tatiana Guinle/DivulgaçãoImagem do filme 'Muita Calma Nessa Hora 2'. Foto: Tatiana Guinle/DivulgaçãoImagem do filme 'Muita Calma Nessa Hora 2'. Foto: Tatiana Guinle/Divulgação

Joffily comenta o estado atual do cinema brasileiro com animação, citando o aumento do número de salas, o crescimento do público e a estabilidade da produção.

"Na minha geração, eu só via 'Trapalhões' e meia dúzia de pornografia. Quando era moleque, não podia listar um filme brasileiro entre os dez melhores da minha vida. A gente passou um período sem filme brasileiro, sem conseguir classificar um gênero. Hoje a gente está mudando isso violentamente. É uma mudança cultural profunda."

Para o diretor, a discussão sobre se as comédias ocupam o espaço de outros gêneros de menor apelo comercial no Brasil é "volátil" e vai acabar "em pouco tempo". 

"Isso faz parte de um processo de retomada. Há 20 anos a gente estava pedindo pelo amor de Deus pra existir qualquer filme brasileiro", opinou. "Os outros gêneros vao se fortalecer também. E se essa discussão existe hoje é justamente para que a gente tenha cuidado para que esse genero não se sobreponha aos outros. Isso tudo está fazendo efeito. É positivo."

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas