Em "Ninfomaníaca", Von Trier discute sexo, mas inova menos do que o esperado

Por Luísa Pécora , iG São Paulo | - Atualizada às

compartilhe

Tamanho do texto

Envolto em polêmica e expectativa, novo longa do diretor dinamarquês estreia nesta sexta-feira (10)

A estreia de "Ninfomaníaca" nesta sexta-feira (10) põe fim à expectativa criada e mantida durante meses por uma campanha de marketing sem precedentes para o diretor dinamarquês Lars von Trier. Desde maio de 2013, a cuidadosa divulgação de vídeos, fotos, pôsteres e informações (cinco horas de duração! sexo de verdade! dublês para as cenas mais quentes!) transformou o novo longa de um diretor autoral em um dos filmes mais aguardados do ano.

A equipe de marketing contou que sua missão era fazer com que "Ninfomaníaca" parecesse interessante "a qualquer pessoa que já transou", e é bem provável que a campanha se mostre bem-sucedida comercialmente. Em termos artísticos, porém, a estratégia de divulgação pode ter prejudicado o filme, que parece pouco impactante depois do bombardeio de teasers lançados na internet.

Mais: Campanha quer fazer de "Ninfomaníaca" o filme mais aguardado do ano

Cena do filme 'Ninfomaníaca', com Shia LeBeouf e Stacy Martin. Foto: DivulgaçãoImagens do filme 'Ninfomaníaca'. Foto: Christian GeisnaesImagens do filme 'Ninfomaníaca'. Foto: Christian GeisnaesImagens do filme 'Ninfomaníaca'. Foto: Christian GeisnaesImagens do filme 'Ninfomaníaca'. Foto: Christian GeisnaesImagens do filme 'Ninfomaníaca'. Foto: Christian GeisnaesImagens do filme 'Ninfomaníaca'. Foto: Christian GeisnaesImagens do filme 'Ninfomaníaca'. Foto: Christian GeisnaesImagens do filme 'Ninfomaníaca'. Foto: Christian GeisnaesImagens do filme 'Ninfomaníaca'. Foto: Christian GeisnaesImagens do filme 'Ninfomaníaca'. Foto: Christian GeisnaesImagens do filme 'Ninfomaníaca'. Foto: Christian GeisnaesImagens do filme 'Ninfomaníaca'. Foto: Christian GeisnaesImagens do filme 'Ninfomaníaca'. Foto: Christian GeisnaesImagens do filme 'Ninfomaníaca'. Foto: Christian GeisnaesImagens do filme 'Ninfomaníaca'. Foto: Christian GeisnaesImagens do filme 'Ninfomaníaca'. Foto: Christian GeisnaesImagens do filme 'Ninfomaníaca'. Foto: Christian GeisnaesImagens do filme 'Ninfomaníaca'. Foto: Christian GeisnaesImagens do filme 'Ninfomaníaca'. Foto: Christian GeisnaesImagens do filme 'Ninfomaníaca'. Foto: Christian GeisnaesUma Thurman em cena de 'Ninfomaníaca'. Foto: DivulgaçãoImagem do filme 'Ninfomaníaca'. Foto: DivulgaçãoElenco de 'Ninfomaníaca', que conta com nomes como Uma Thurman e Willem Dafoe. Foto: DivulgaçãoCharlotte Gainsbourg em cena de "Nymphomaniac", novo filme de Lars Von Trier. Foto: DivulgaçãoCena do filme 'Ninfomaníaca'. Foto: Divulgação

"Ninfomaníaca" segue o que seus realizadores chamaram de "estrutura literária", com a história dividida em dois volumes e oito capítulos. Os cinco primeiros estão na parte 1, a que estreia nesta sexta-feira (a continuação está prevista para março).

Mais: Versão sem censura de "Ninfomaníaca" pode chegar ao Brasil

Homem culto e solitário, Seligman (Stellan Skarsgard, um dos mais frequentes colaboradores de Von Trier) encontra Joe (Charlotte Gainsbourg, na terceira parceria com o diretor) sozinha e machucada em um beco. Ele sugere chamar a polícia ou ajuda médica. Diante da recusa, leva a deconhecida para casa, lhe dá cama e uma xícara de chá e insiste para que ela conte o que aconteceu.

Mais: As marcas do cinema de Lars von Trier

Após alertá-lo de que a história será "longa e moral", Joe começa a recontar sua trajetória de ninfomaníaca desde a infância ("tinha dois anos quando descobri minha vagina") até os 50 anos. Seligman ouve com paciência e interesse, se recusando a julgá-la ou compartilhar suas autorepreensões. "Sou um ser humano horrível", repete Joe, enquanto ele argumenta o contrário.

Divulgação
Lars Von Trier na foto que deu início à campanha de marketing de 'Ninfomaníaca': ele mesmo, de boca fechada

A primeira parte de "Ninfomaníaca" foca principalmente na juventude da personagem, interpretada nesta fase pela iniciante e talentosa Stacy Martin.

Após perder a virgindade numa relação sem um pingo de romantismo com Jerôme (Shia LaBeouf), Joe vive intensamente o despertar da sexualidade. Perde a timidez numa viagem de trem na qual disputa com a melhor amiga quem consegue seduzir mais homens, e em pouco tempo tem dez parceiros sexuais diferentes por dia, todos insignificantes para ela, com exceção de Jerôme.

Vídeo: Cinco cenas de sexo que marcaram o cinema

Cenas de sexo (vaginal, anal e oral) e nudez frontal permeiam toda a história, mas impressionam mais pela quantidade do que pelo conteúdo. Não há nada em "Ninfomaníaca" que já não se tenha visto no cinema comercial ou de arte, nem qualquer cena que tenha impacto semelhante à da sodomização de "Último Tango em Paris" ou à automutilação genital de "Anticristo", para citar um trabalho do próprio Von Trier.

O que não seria um problema se a campanha de marketing de "Ninfomaníaca" não tivesse ajudado a criar a impressão de que o filme quebraria tabus sobre a representação do sexo no cinema. Von Trier nunca foi adepto do erotismo fake - pelo contrário, ousou muito ao lidar com o tema desde o início da carreira, em longas como "Os Idiotas" e "Ondas do Destino", por exemplo.

Divulgação
Stacy Martin, a jovem Joe, em pôster de 'Ninfomaníaca'

Esperava-se que desta vez ele fosse ainda mais longe, despindo as cenas eróticas de qualquer tipo de simulação para discutir as barreiras entre o cinema pornográfico e o mainstream, um debate de fato interessante e que pegou fogo recentemente com o lançamento de "Azul é a Cor Mais Quente".

É preciso ponderar, sem dúvida, que a versão que estreia no Brasil e em todo o mundo é censurada, feita com o consentimento de Von Trier e aprovada por ele, ainda que sem seu envolvimento direto. De acordo com os produtores, os cortes buscaram retirar closes de genitais e encurtar o filme para viabilizá-lo comercialmente.

Siga o iG Cultura no Twitter

Embora a cópia censurada preserve as marcas do cinema de Von Trier, é possível que a versão completa e sem cortes (que terá estreia mundial no Festival de Berlim e pode depois chegar aos cinemas brasileiros) seja radicalmente diferente, mais inovadora e fiel às ambições do diretor. Espera-se, também, que a segunda parte do longa amarre e dê mais força à discussão sobre emancipação e sexualidade feminina do primeiro filme, que termina sem dizer exatamente a que veio.

O roteiro, de certa forma, parece "encaixadinho demais", com amarrações tão convenientes que chegam a parecer forçadas. Uma isca na parede leva Joe a contar sua história, numa série de analogias entre pesca e sexo; um garfo em um prato de doce desperta a narrativa sobre Jerôme; uma música de Bach citada por Seligman se aplica perfeitamente a seus amantes do passado; e assim o enredo se desenrola.

Os melhores momentos do filme acontecem principalmente fora do quarto onde Seligman e Joe conversam. O terceiro capítulo, por exemplo, conta com uma eletrizante participação de Uma Thurman como a mulher traída de um dos amantes da ninfomaníaca; a cena do trem é carregada com charme por Martin e pela também talentosa jovem atriz Sophie Kennedy Clark; o segmento sobre a relação de Joe e seu pai tem belíssima fotografia em preto e branco e o humor negro que permeia a narrativa por vezes acerta o alvo.

Trata-se, portanto, de um bom filme, que deve ser melhor apreciado por quem for ao cinema esperando apenas isto: um bom filme.

Veja o trailer de "Ninfomaníaca":


compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas