Richard Curtis planeja aposentadoria: "Fazer filmes é um processo estressante"

Por iG São Paulo |

Texto

Em entrevista exclusiva, cineasta e roteirista fala sobre "Questão de Tempo", que pode ser seu último longa

Se "Questão de Tempo" realmente for o último filme do diretor e roteirista Richard Curtis - e ele diz que vai ser -, será em parte porque decidiu seguir a mensagem que quis passar ao espectador: aproveite mais a vida.

"(Parar de dirigir) É minha intenção neste momento. Não tive nenhum pensamento sobre outro filme até agora", contou, em entrevista exclusiva. "De certa forma, estou tentando prestar atenção à moral do filme, que é: olhe para sua vida e pense em como aproveitá-la sem estresse e preocupação. Para mim, fazer filmes é um processo estressante."

Getty Images
Richard Curtis na estreia de 'Questão de Tempo' em Madri, na Espanha (08/10)

Nascido na Nova Zelândia e cidadão britânico, Curtis dirigiu outros dois longas, "Os Piratas do Rock" e "Simplesmente Amor", mas assinou o roteiro de uma série de sucessos, como "Quatro Casamentos E Um Funeral", "Um Lugar Chamado Notting Hill" e "O Diário de Bridget Jones".

Leia: "Questão de Tempo" constrói romance em clima de ficção científica

Durante a carreira, trabalhou cinco vezes com o ator Bill Nighy, uma das estrelas do elenco de "Questão de Tempo". Ele é o pai do protagonista, Tim (Domhall Gleeson), a quem revela um segredo no dia de seu aniversário de 21 anos: os homens da família têm o dom de viajar no tempo.

Tim então passa a usar sua habilidade para mudar momentos de seu passado, desde fazer a proposta romântica perfeita até alterar um discurso ruim do padrinho de casamento. Sua intenção é sempre conquistar Mary (Rachel McAdams), a mulher de seus sonhos.

Na entrevista a seguir, Curtis fala sobre a escolha do elenco, a inspiração para o roteiro e os planos para depois da possível aposentadoria.

A escolha dos protagonistas

"No caso de Rachel, fiquei de joelhos pedindo que ela fizesse um filme comigo porque ela é uma atriz fantástica. Admiro seu trabalho há muito tempo. No caso de Domnhall foi uma busca mesmo, como você deve fazer quando está escolhendo elenco. Quando o encontramos, percebi que ele era o cara certo. Tivemos muita sorte com ambos."

A amizade e o trabalho com Bill Nighy

"Conheci Bill em uma sessão de leitura para 'Simplesmente Amor' para a qual ele tinha sido convidado sem compromisso, apenas porque era amigo do diretor de casting. Ele não tinha feito teste e eu não pensava em o escalar, mas sua leitura foi tão incrível que isto se tornou impossível. Ele é um ótimo ator e fez coisas milagrosas por mim. Ele tem essa coisa misteriosa dos grandes atores de te fazer pensar que cada atuação é a atuação definitiva."

Cena de 'Questão de Tempo'. Foto: DivulgaçãoCena de 'Questão de Tempo'. Foto: DivulgaçãoCena de 'Questão de Tempo'. Foto: DivulgaçãoCena de 'Questão de Tempo'. Foto: DivulgaçãoCena de 'Questão de Tempo'. Foto: DivulgaçãoCena de 'Questão de Tempo'. Foto: Divulgação

A inspiração para o filme

"A ideia começou durante uma conversa com um amigo de longa data. Estávamos falando sobre a vida e dizendo: ‘Se você tivesse um último dia perfeito, como seria? O que faria?’ E ambos concordamos que não teríamos um encontro com Kate Moss ou ganharíamos um Oscar. Seria um dia ‘não especial’. Seria almoçarmos juntos, jantarmos com quem amamos, fazer café da manhã para nossos filhos e andar com eles até a escola.

Siga o iG Cultura no Twitter

Decidimos que estas são as coisas mais felizes da vida e com as quais nos sentimos mais confortáveis. E senti que adoraria fazer um filme sobre essa simples observação, de que a felicidade está bem embaixo do nosso nariz. Então o que está nos impedindo de aproveitá-la?

Pensei que o jeito de provar isso seria dizer que se você pudesse escolher qualquer coisa, se tivesse o poder de ter as outras coisas, talvez acabasse não querendo estas coisas. Foi assim que pensei na grande viagem no tempo. Pensei que podia dar a um cara todos os poderes do mundo, mas ele finalmente concluiria que é mais sábio viver sua vida normal com menos preocupação."

Divulgação
Imagem do filme 'Questão de Tempo'

Aposentadoria

"É esta minha intenção neste momento. Não tive nenhum pensamento sobre outro filme até agora. De certa forma estou tentando prestar atenção à moral do filme, que é: olhe para sua vida e pense em como aproveitá-la sem estresse e preocupação.

Para mim, fazer filmes é um processo estressante. Então estou aceitando meu próprio conselho. Mas estou fazendo um filme com (o director) Stephen Daldry no Rio de Janeiro (“Trash”). Então talvez no future eu faça isso: trabalhe com bons diretores quando possível."

A melhor parte de trabalhar com cinema

“Tenho três momentos favoritos. O momento em que dou (o roteiro) para Emma (Freud, sua mulher) e ela diz que gostou. A leitura do roteiro, quando todos os atores já foram escalados e de repente dá tudo certo. E a primeira vez que você assiste ao filme com uma plateia e ele funciona. São meus momentos favoritos."

O que faria se pudesse viajar no tempo

"Quando tinha oito anos fiquei três horas em frente a um hotel em Estocolmo esperando para ver os Beatles na sacada. Eles apareceram, acenaram e eu pensei que teria sido melhor ficar na fila para comprar um ingresso para o show deles. Adoraria tê-los visto tocar. Se pudesse viajar no tempo, faria isso."

Leia tudo sobre: questão de temporichard curtiscinemarachel mcadams
Texto

notícias relacionadas