Intenso, "A Desolação de Smaug" é bem melhor do que primeira parte de "O Hobbit"

Por Mariane Morisawa , especial para o iG, de Los Angeles | - Atualizada às

compartilhe

Tamanho do texto

No segundo filme da trilogia dirigida por Peter Jackson, cenas de aventura são divertidas e não cansam

Na bilheteria, “O Hobbit: Uma Jornada Inesperada”, primeira parte da trilogia dirigida por Peter Jackson e baseada no livro infantil de J.R.R. Tolkien, foi um sucesso estrondoso, arrecadando mais de US$ 1 bilhão no mundo inteiro.

Entrevista - Peter Jackson: "Não tenho paciência para bobagem"

Cena de 'O Hobbit: A Desolação de Smaug'. Foto: DivulgaçãoCena de 'O Hobbit: A Desolação de Smaug'. Foto: DivulgaçãoCena de 'O Hobbit: A Desolação de Smaug'. Foto: DivulgaçãoCena de 'O Hobbit: A Desolação de Smaug'. Foto: DivulgaçãoCena de 'O Hobbit: A Desolação de Smaug'. Foto: DivulgaçãoCena de 'O Hobbit: A Desolação de Smaug'. Foto: DivulgaçãoImagem do filme 'O Hobbit: A Desolação de Smaug'. Foto: DivulgaçãoImagem do filme 'O Hobbit: A Desolação de Smaug'. Foto: DivulgaçãoImagem do filme 'O Hobbit: A Desolação de Smaug'. Foto: DivulgaçãoImagem do filme 'O Hobbit: A Desolação de Smaug'. Foto: DivulgaçãoImagem do filme 'O Hobbit: A Desolação de Smaug'. Foto: DivulgaçãoImagem do filme 'O Hobbit: A Desolação de Smaug'. Foto: DivulgaçãoImagem do filme 'O Hobbit: A Desolação de Smaug'. Foto: DivulgaçãoImagem do filme 'O Hobbit: A Desolação de Smaug'. Foto: Divulgação

Mas muitos críticos e espectadores ficaram um pouco desapontados com a lentidão do filme, que tinha uma longuíssima cena da invasão da casa de Bilbo Bolseiro (Martin Freeman) pelos 13 anões liderados por Thorin (Richard Armitage) e o consequente banquete caótico ali promovido pelas visitas inesperadas.

Respirem aliviados, ó, fãs de Tolkien e Peter Jackson, porque “O Hobbit: A Desolação de Smaug” tem um ritmo muito mais intenso e uniforme. Tanto que pouco se sentem suas duas horas e 41 minutos de duração.

Siga o iG Cultura no Twitter

É um feito e tanto especialmente por se tratar do filme do meio, aquele que liga as pontas entre o início e o encerramento da história e que normalmente sofre de uma certa falta de propósito.

“A Desolação de Smaug” começa com um prólogo (com a famosa ponta de Peter Jackson logo de cara) do encontro entre Thorin e Gandalf (Ian McKellen), em que eles bolam o plano de recuperar a pedra Arken para derrotar o terrível dragão Smaug (voz de Benedict Cumberbatch).

O monstro se instalou na Montanha Solitária, ou Erebor, cidade riquíssima fundada por Thráin que Thorin, seu descendente, quer recuperar para seu povo.

Divulgação
Cena de 'O Hobbit: A Desolação de Smaug'

Vão ser muitas as aventuras pelas quais o hobbit Bilbo e os 13 anões vão passar, especialmente depois da partida de Gandalf para resolver outros assuntos. Eles vão se meter com aranhas gigantes, com os elfos liderados pelo estranho Thranduil (Lee Pace), com humanos como o Arqueiro Bard (Luke Evans), que vive numa cidade ameaçada por Smaug.

Jackson e seus co-roteiristas (assinam com ele Philippa Boyens, Fran Walsh e Guillermo del Toro) também bolaram uma personagem que não existe no universo de Tolkien, a elfa Tauriel (Evangeline Lilly, de “Lost”. É uma adição bem-vinda num filme totalmente masculino, com direito até a triângulo amoroso esboçado entre ela, Legolas (Orlando Bloom) e o anão Kili (Aidan Turner).

A principal diferença de um filme como este e outros tantos de ação que dominam as telas durante o ano inteiro é mesmo ter um diretor como Peter Jackson. Ele faz parte de uma lista seleta (formada também por Steven Spielberg, George Lucas) que consegue fazer um filme de fantasia épico, mas que não se leva a sério demais. As cenas de aventura são divertidas e não cansativas, especialmente a da fuga em barris e a de Bilbo tentando enganar o terrível Smaug.

O resultado é que, mesmo quando Peter Jackson homenageia seu próprio “O Senhor dos Anéis”, a impressão que se tem é a de estar vendo algo novo.

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas