"Adoro me sentir insegura no set", diz Penélope Cruz

Por Reuters |

compartilhe

Tamanho do texto

Atriz espanhola, que está divulgando o longa "Twice Born", fala sobre família e a violência no cinema

Reuters

Penélope Cruz interpreta uma mulher estéril em um novo filme, e uma noiva arruinada em outro, mas a vida familiar da atriz é algo inacessível.

Penélope Cruz em seu novo filme 'Twice Born'. Foto: Reprodução/FacebookPenélope Cruz em 'Vicky Cristina Barcelona' (2008). Foto: DivulgaçãoPenélope Cruz em 'Abraços Partidos'. Foto: DivulgaçãoWoody Allen e Penélope Cruz filmam em Roma. Foto: APPenélope Cruz em 'Nine'. Foto: ReproduçãoJohnny Depp e Penélope Cruz em 'Piratas do Caribe: Navegando em Águas Misteriosas'. Foto: DivulgaçãoPenélope Cruz em 'Sabor da Paixão'. Foto: Divulgação

A morena espanhola, de 39 anos, pediu desculpas pelo atraso de 30 minutos na entrevista concedida à Reuters em um pub londrino, porque precisou ir correndo para casa amamentar sua filha bebê.

Perguntada sobre como divide as tarefas domésticas com o marido, o também ator Javier Bardem, ela se esquivou: "Não falo sobre eles em entrevista, meus filhos. Não falo sobre eles porque realmente tento protegê-los das outras partes da minha atividade."

A entrevista era para divulgar seu novo filme, "Twice Born", que estreia neste mês nos EUA, e no qual ela vive uma pesquisadora infértil que se envolve com um fotógrafo durante a Guerra da Bósnia.

Divulgação
Penélope Cruz em 'Para Roma Com Amor' (2012)

Siga o iG Cultura no Twitter

"Adoro não me sentir segura quando entro no set", diz ela sobre o filme, recebido com ambiguidade pela crítica europeia em 2012. O longa acompanha a personagem dela desde a juventude até a maturidade, num momento em que a própria atriz se aproxima da meia-idade -- o que, no entanto, ela não vê como um empecilho à sua carreira.

"Na Europa é muito possível, e também porque não é minha principal ambição. Você sabe que eu adoro trabalhar e me sinto com sorte quando posso trabalhar, porque preciso, mas não é minha prioridade número 1 - é a família, e aí meu trabalho, que tenho muita sorte de ter."

Paralelamente ao filme ambientado na Guerra da Bósnia, ela está em cartaz nos EUA e na Europa com "O Conselheiro do Crime", na qual aparece em tórridas cenas íntimas com Michael Fassbender -- um filme, ao seu modo, também violento.

"Gosto do filme, é realmente interessante e inteligente, mas tenho dúvidas sobre a violência. Há uma cena que ainda não vi, em que Brad Pitt morre, o jeito que ele morre. Acho que a violência não deve ser glamourizada. Não participei de muitos filmes violentos, mas se fosse participar gostaria que fosse um que pelo menos não parecesse um videogame."

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas