Pintura foi feita no set de "Barry Lyndon" pela mulher do diretor, Christiane; leia depoimento dado ao iG

Além de ser tema de uma retrospectiva , o cineasta Stanley Kubrick também marca presença no pôster e na vinheta da  37ª Mostra Internacional de Cinema de São Paulo , que exibe mais de 360 filmes de 18 a 31 de outubro.

O cartaz e o vídeo são baseados em "Rehearsal in the Rain" ("Ensaio na Chuva"), óleo sobre tela da artista plástica alemã Christiane Kubrick, casada durante 42 anos com o diretor. A pintura foi feita em 1974, no set de "Barry Lyndon", em Little Island, na Irlanda.

Leia também: Kubrick ganha exposição sensorial e emocionante em SP

A viúva de Kubrick, que está no Brasil para o festival e a exposição sobre o diretor em cartaz no Museu da Imagem e do Som, disse ao iG que se sentiu "lisonjeada" com a escolha de seu trabalho para o pôster.

Christiane conheceu o diretor quando conseguiu um papel-chave em "Glória Feita de Sangue" (1957), o quarto longa-metragem de Kubrick. É ela a garota alemã forçada a cantar para soldados franceses bêbados, que primeiro gritam e tiram sarro, mas depois ficam completamente emocionados ao ouvi-la.

Siga o iG Cultura no Twitter

A união foi oficializada em 1958, pouco depois das filmagens acabarem. O casal teve duas filhas e ficou junto até a morte do diretor, em 1999. Ao iG , Christiane contou a história por trás de "Rehearsal in the Rain". Leia:

"Eu estava seguindo Stanley em Little Island, quando ele estava filmando 'Barry Lyndon'. Geralmente eu não acompanhava muito as filmagens porque não gosto dessa coisa de ter a família ali parada quando você está trabalhando. Antes de me tornar pintora eu era dançarina e atriz e me lembro de não gostar de ver meus familiares (durante apresentações). Acho que atrapalha. Mas em 'Barry Lyndon' eu estava no set o tempo todo e onde eles (Kubrick e a equipe) iam, eu pintava.

Sempre gostei de pintar plantas e paisagens. A ilha é muito linda e as locações onde eles filmavam eram particularmente lindas. Todos os dias o tempo mudava umas dez vezes. Primeiro vinha aquela luz belíssima, tipicamente irlandesa. Depois ventava muito forte. Depois chovia. Era inacreditável. Então um dia pintei Stanley ensaiando com um dos atores embaixo de um guarda-chuva. Foi muito bom. Era divertido sentar ali, pintar e ter alguém me servindo chá."

Veja a vinheta da Mostra de Cinema de São Paulo:


    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.