Candidato do Brasil ao Oscar será anunciado nesta sexta-feira; veja os favoritos

Por Luísa Pécora , iG São Paulo | - Atualizada às

compartilhe

Tamanho do texto

Produção escolhida por comissão do Ministério da Cultura buscará indicação a melhor filme estrangeiro; saiba mais sobre a seleção e os principais concorrentes

Será escolhido nesta sexta-feira (20) o longa-metragem que tentará levar o Brasil de volta à disputa pelo Oscar de filme estrangeiro, algo que não acontece desde 1999 - naquele ano, "Central do Brasil" perdeu a estatueta para o italiano "A Vida é Bela".

O filme escolhido por uma comissão do Ministério da Cultura será pré-indicado à Academia de Artes e Ciências Cinematográficas dos Estados Unidos, que receberá sugestões de países de todo o mundo e revelará os cinco finalistas em 16 de janeiro.

Veja filmes e artistas brasileiros indicados ao Oscar:

'Central do Brasil' (1998), indicado a melhor filme e melhor atriz. Foto: AE'O Que é Isso, Companheiro?' (1997), de Bruno Barreto, indicado a filme estrangeiro. Foto: Divulgação'O Quatrilho' (1995), de Fábio Barreto, indicado a filme estrangeiro. Foto: ReproduçãoProdução EUA-Brasil, 'O Beijo da Mulher Aranha' (1985) foi indicado a melhor filme e outros 3 prêmios em 1986; levou ator (William Hurt). Foto: Reprodução'O Pagador de Promessas' (1962), de Anselmo Duarte, foi indicado a filme estrangeiro. Foto: Reprodução'Real in Rio', de Sergio Mendes e Carlinhos Brown e trilha do filme 'Rio' (2011), foi indicada a canção original. Foto: ReutersParceria Brasil-Reino Unido, 'Lixo Extraordinário' (2010) foi indicado a documentário. Foto: Divulgação'Gone Nutty' (2003), dirigido pelo brasileiro Carlos Saldanha, foi indicado a melhor curta de animação. Foto: Divulgação'Cidade de Deus' (2002) não foi indicado a filme estrangeiro, mas foi lembrado em outras 4 categorias do Oscar 2004. Foto: Divulgação'Uma História de Futebol' (1998), de Paulo Machline, indicado a curta-metragem. Foto: Divulgação'Rio de Janeiro', de Ary Barroso, trilha do filme 'Brasil' (1944), foi indicada a canção original. Foto: oi novo som

Entre os favoritos à indicação brasileira estão a aventura "Colegas", o western romântico "Faroeste Caboclo", a cinebiografia "Gonzaga - De Pai Para Filho", a animação "Uma História de Amor e Fúria", o drama "Meu Pé de Laranja Lima" e o suspense "O Som ao Redor".

Todos foram exibidos em festivais e a maior parte recebeu prêmios importantes no Brasil ou no exterior, o que pesa a favor. Oficialmente, porém, só há dois requisitos fundamentais para receber a indicação: 1) ter sido exibido primeiro no País e 2) ter ficado pelo menos uma semana em cartaz, em sala do circuito comercial brasileiro, entre 1º de outubro de 2012 e 30 de setembro de 2013.

A inscrição é feita por meio de um requerimento entregue ao Ministério da Cultura, junto a 12 cópias do filme em DVD. A comissão julgadora é formada por cinco membros, que neste ano são Leopoldo Nunes da Silva Filho, secretário do Audiovisual; Sylvia Bahiense Naves, também da secretaria; George Torquato Firmeza, ministro do Departamento Cultural do Itamaraty; Renata de Almeida, diretora da Mostra Internacional de Cinema de São Paulo; e Vânia Catani, sócia da produtora Bananeira Filmes.

Procurado pelo iG, o Ministério da Cultura não respondeu ao pedido de entrevista sobre os critérios da comissão avaliadora e não informou quantos e quais filmes foram inscritos. Em 2012, o indicado foi "O Palhaço", de Selton Mello.

Sem campanha

A seleção causa dúvidas mesmo entre os realizadores. Antonio Carlos da Fontoura, diretor de "Somos Tão Jovens", nem sabia que a iniciativa deveria ter partido dele. "É tanta coisa para cuidar que realmente não fui atrás. Achei que independia de inscrição", afirmou.

Getty Images
As cobiçadas estatuetas do Oscar serão entregues em 2 de março

Diferentemente do que acontece nos Estados Unidos, onde a campanha por uma indicação ao Oscar movimenta muito dinheiro e meses de lobby pesado, no Brasil os realizadores não costumam fazer nada além da inscrição.

“Acho que até seria legítimo mandar material para a comissão e divulgar o filme, mas não temos esta tradição. Não sei quem são os jurados e nem faço questão de saber", afirmou Luiz Bolognesi, diretor de "Uma História de Amor e Fúria". "Acho que o Brasil tem indicado bons filmes, sem pensar apenas em quem teve a maior bilheteria. E este ano há muitos merecedores."

Para Bolognesi, a importância de ser reconhecido pelo Oscar está na maior visibilidade do filme. "A indicação e o prêmio em si não importam tanto, o que importa são as consequências. O reconhecimento aumenta muito, as pessoas pegam o DVD. E eu quero que o filme seja visto", afirmou o diretor, ressaltando que a escolha de seu longa também representaria um "empurrão" para a animação brasileira, área que recebe pouco investimento.

Siga o iG Cultura no Twitter

Marcelo Galvão, diretor de "Colegas", vê a indicação ao Oscar como "uma janela para o mundo". "Seria algo importante primeiro para o filme, depois para mim como diretor, e depois para a própria causa. Ter um filme com três protagonistas com síndrome de Down indicado ao Oscar faria com que falássemos com gente de todo lugar", disse.

Depois do anúncio

Para a equipe de qualquer que seja o filme escolhido, o anúncio desta sexta-feira será apenas o início de uma batalha muito mais dura para ficar entre os cinco finalistas da Academia.

Diretor de "Faroeste Caboclo", René Sampaio não sabe se será o indicado brasileiro ("há muitos filmes bons neste ano"), mas, se for, quer aproveitar o "buzz" da exibição no Festival de Toronto, que aconteceu neste mês.

"Estamos fazendo um trabalho para que, se formos escolhidos, possamos ter uma real chance de indicação ao Oscar", afirmou Sampaio, de Los Angeles, por telefone. "Não basta ter um bom filme, é preciso ter um distribuidor internacional, uma boa acolhida do público e da indústria, falar com todo mundo."

Não é uma tarefa fácil, como aprendeu o diretor Breno Silveira, que tentou a vaga no Oscar após "2 Filhos de Francisco" ter conseguido a nomeação brasileira em 2005. Para ele, o apoio governamental é muito pequeno se comparado ao de outros países.

"A campanha para o Oscar ainda é um assunto complicado para a gente. O governo apoia, mas muito timidamente", disse Silveira. "Alguns países fazem um lobby gigantesco, enquanto a gente talvez não leve tão a sério, não valorize o bastante para entrar de verdade nisso."

Mas Silveira não está disposto a desistir e, neste ano, pode ser escolhido novamente com "Gonzaga - De Pai Para Filho". "É difícil conseguir mostrar nosso trabalho em Hollywood, mas temos que confiar, continuar tentando", afirmou. "Um dia o Brasil tem de emplacar de novo no Oscar."

Veja os favoritos à indicação brasileira:

Divulgação
Imagem do filme 'Colegas', de Marcelo Galvão

"Colegas"

Ficha técnica: Comédia lançada em fevereiro, é dirigida por Marcelo Galvão e protagonizada por três atores com síndrome de Down - Ariel Goldenberg, Rita Pokk e Breno Viola. Eles interpretam jovens que decidem roubar o carro de um dos funcionários do instituto onde vivem e pegar a estrada em busca de seus sonhos: ver o mar, casar e voar.

Pontos fortes: Em 2012, ganhou três prêmios no Festival de Gramado (filme, direção de arte e um troféu especial do júri aos protagonistas) e foi escolhido melhor filme brasileiro pelo público na Mostra Internacional de Cinema de São Paulo. Também foi exibido e premiado em festivais internacionais como o Brazilian Film Festival of New York. É amplamente conhecido pelo público graças ao forte trabalho nas redes sociais e, principalmente, por causa da campanha "Vem, Sean Penn", que buscou realizar o sonho de Goldenberg de conhecer o ator.

Divulgação
Imagem do filme 'Faroeste Caboclo', de René Sampaio

"Faroeste Caboclo"

Ficha técnica: Lançado em maio, tem direção de René Sampaio e adapta para o cinema a canção da Legião Urbana. Fabrício Boliveira é João de Santo Cristo, jovem negro e pobre que nasce na Bahia e se muda para Brasília. Lá, divide-se entre uma marcenaria e o tráfico de drogas, apaixonando-se por Maria Lúcia (Isis Valverde), a rica filha de um senador.

Pontos fortes: Foi exibido fora de competição no Festival de Toronto de 2013, com forte aplauso depois da sessão. Sucesso de bilheteria no Brasil, bateu 1 milhão de espectadores em menos de duas semanas de exibição, mesmo tendo estreado no mesmo mês de outro filme inspirado em Renato Russo, "Somos Tão Jovens".

Divulgação
Imagem de 'Gonzaga - De Pai pra Filho', de Breno Silveira

"Gonzaga - De Pai Para Filho"

Ficha técnica: Com direção de Breno Silveira, foi lançado em outubro de 2012, no centenário de Luiz Gonzaga (1912-1989). Cinebiografia do "rei do baião", o filme se sustenta na relação entre ele e o filho, Gonzaguinha, marcada por mágoas e ressentimentos até a reconciliação nos anos 1980. No elenco: Nivaldo Expediro, Júlio Andrade, Adélio Lima, Land Vieira, Claudio Jaborandy e mais.

Pontos fortes: Foi escolhido como filme de abertura do Festival do Rio de 2012 e teve grande sucesso comercial quando chegou aos cinemas. Em 2013, ganhou três prêmios da Associação de Correspondentes da Imprensa Estrangeira, espécie de equivalente brasileiro ao Globo de Ouro. Tem uma história comovente e focada na família, algo que costuma agradar a Academia.

Divulgação
Imagem do filme 'Uma História de Amor e Fúria', de Luiz Bolognesi

"Uma História de Amor e Fúria"

Ficha técnica: Animação lançada em abril e dirigida por Luiz Bolognesi, faz uma viagem pela história do Brasil. Selton Mello dubla o protagonista, que vai de índio tupinambá a um homem desiludido no Rio de Janeiro futurista de 2096. Camila Pitanga e Rodrigo Santoro também emprestam suas vozes ao filme.

Pontos fortes: Em junho, ganhou o prêmio de melhor filme no Festival de Annecy - conhecido como o "Cannes da animação", por ser o mais importante do gênero. Foi a primeira animação brasileira selecionada a concorrer ao prêmio principal em 53 anos do evento, que já premiou longas como "Coraline e "Mary e Max".

Divulgação
Imagem do filme 'Meu Pé de Laranja Lima', de Marcos Bernstein

"Meu Pé de Laranja Lima"

Ficha técnica: Drama lançado em abril, com direção de Marcos Bernstein. Adaptação do livro de José Mauro de Vasconcelos, conta a história de Zezé (João Guilherme de Ávila), um garoto de oito anos que costuma conversar com um pé de laranja lima no quintal de sua casa.

Pontos fortes: Em 2012, foi exibido em competição no Festival do Rio e recebeu o principal prêmio da mostra Alice do Festival de Roma, dedicada ao público jovem. O filme é adaptação de um livro popular e tem história comovente, que pode agradar aos votantes do Oscar.

Divulgação
Imagem de 'O Som ao Redor', de Kleber Mendonça Filho

"O Som ao Redor"

Ficha técnica: Lançado em janeiro, tem direção de Kleber Mendonça Filho e é um misto de drama e suspense. O filme retrata a rotina de uma rua de classe média na zona sul do Recife, transformada pela chegada de seguranças particulares que oferecem seus serviços aos moradores. No elenco: Irandhir Santos, Gustavo Jahn, Maeve Jinkings e outros.

Pontos fortes: Entrou para a lista de dez melhores filmes de 2012 do principal crítico de cinema do jornal norte-americano "The New York Times". Também em 2012, ganhou o troféu principal da Mostra Internacional de Cinema de São Paulo, além de quatro prêmios no Festival de Cinema de Gramado (diretor, som e melhor filme para o público e os críticos) e dois no Festival do Rio (filme e roteiro). Também foi exibido e premiado em eventos internacionais, sendo o Festival de Roterdã o principal. Apesar do lançamento em circuito limitado de salas, conseguiu boa média de público.

Leia tudo sobre: oscarcinemaoscar 2014cinemacinema nacional

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas