Manoel de Oliveira brinca com o fantástico em "O Estranho Caso de Angélica"

Por Reuters |

compartilhe

Tamanho do texto

Diretor português cria um ambate entre o novo e o velho na trama do longa sobre um fotógrafo que é chamado para clicar uma mulher morta

Reuters

Há uma constante em "O Estranho Caso de Angélica", filme de Manoel de Oliveira, coproduzido pela Mostra de Cinema de São Paulo, que estreou em Cannes em 2010. A tensão, ao longo dos 90 minutos, é entre tradição e modernidade.

Divulgação
Cena de 'O Estranho Caso de Angélica', do português Manoel de Oliveira

Logo na primeira cena, poderia se tomar o longa como situado num passado remoto, começo do século passado, por exemplo, mas, como se vê depois, a história se passa nos dias atuais. É nesse embate entre o novo e o velho que Manoel cria a trama.

Divulgação
Cena de 'O Estranho Caso de Angélica'

O ponto de partida ocorre quando Isaac (Ricardo Trêpa, neto do cineasta) é chamado às pressas no meio de uma noite chuvosa para tirar uma foto. A modelo, descobre-se logo depois, é Angélica (Pilar López de Ayla). Ao chegar, ele a encontra deitada num divã e morta. A família quer esse último registro da bela rapariga.

Siga o iG Cultura no Twitter

Isaac se encanta com a moça e, tradicionalista como é, ele mesmo revela suas fotos no seu quarto de pensão e fica surpreendido ao ver a expressão de Angélica mudar na foto. É nesse momento que parece se apaixonar por ela. Receber a visita de seu fantasma não o assusta, mas, sim, lhe dá a chance de concretizar esse amor além da morte.

O fotógrafo é um intelectual atormentado, tem um ar Dostoievskiano. Entre outros trabalhos, quer capturar em imagens a vida dos cavadores - que, enquanto roçam a terra entoam uma cantiga tradicional. Ao mesmo tempo, um grupo de engenheiros, entre eles a atriz brasileira Ana Maria Magalhães, pode levar a modernidade para a região que parece perdida no tempo em seu tradicionalismo.

O caso de amor criado por Manoel tem muito a ver com os fantasmas de Henry James, com seu realismo psicológico. E, a certa altura, o que domina o filme é o embate entre o materialismo e o misticismo, materializado no romance de Angélica e Isaac. Do alto de sua centena de anos, mais uma vez, Manoel fez um filme de um frescor juvenil, permeado pela experiência de uma vida.


compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas