Filme mostra modesto herói que lida com desafios da árida paisagem do sertão nordestino

Reuters

Em meio à paisagem árida da caatinga nordestina, o sitiante Olegário (Matheus Nachtergaele) sai em busca de trocar os únicos animais que possui, duas cabrinhas, por alimentos na cidade.

Único humano em cena em "Na Quadrada das Águas Perdidas", o protagonista torna-se um modesto herói, já que em sua trajetória se encerra a representação de um homem de seu tempo lidando com seus desafios.

Imagem do filme 'Na Quadrada das Águas Perdidas'
Divulgação
Imagem do filme 'Na Quadrada das Águas Perdidas'

No filme dirigido e roteirizado por Wagner Miranda e Marcos Carvalho, a coragem reside no retrato cru, mas não desprovido de certa ternura, dessa figura em uma jornada solitária, espreitada por um urubu à espera de que ele, suas cabras e o burrinho que o leva, sucumbam.

Outros perigos espreitam:  cobras, uma onça, falta d'água, entre eles.

Siga o iG Cultura no Twitter

Ao longo do caminho, o protagonista perde elementos que o compõem e se transforma. Conseguir ou não trocar os bichos pela comida, no final, seria apenas um detalhe, se disto não dependesse sua sobrevivência.

O clima documental ganha força pela atuação despojada de Nachtergaele. Ao mesmo tempo, a excelente trilha sonora, assinada por Elomar, Geraldo Azevedo e grupo Matingueiros, é fundamental na construção do clima do longa, que parece mimetizar a secura da região que retrata.

Veja o trailer de "Na Quadrada das Águas Perdidas": 


    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.