Park Chan-wook privilegia estilo e ecoa Hitchcock em "Segredos de Sangue"

Por Luísa Pécora , iG São Paulo | - Atualizada às

compartilhe

Tamanho do texto

Primeiro filme em inglês do diretor sul-coreano tem enredo pouco envolvente, mas mantém marcas como cenas violentas e visual impecável

Primeiro filme do diretor sul-coreano Park Chan-wook em inglês, "Segredos de Sangue", que estreia nesta sexta-feira (14), carrega suas principais marcas: tema pesado, cenas violentas e visual impecável.

O enredo, porém, é um tanto menos complexo e envolvente que os de trabalhos anteriores, em especial a chamada "trilogia da vingança", cujo episódio central e mais conhecido é "Oldboy", de 2003. O que prevalece, desta vez, é o estilo.

Imagem do filme 'Segredos de Sangue'. Foto: DivulgaçãoImagem do filme 'Segredos de Sangue'. Foto: DivulgaçãoImagem do filme 'Segredos de Sangue'. Foto: DivulgaçãoImagem do filme 'Segredos de Sangue'. Foto: DivulgaçãoImagem do filme 'Segredos de Sangue'. Foto: DivulgaçãoImagem do filme 'Segredos de Sangue'. Foto: DivulgaçãoImagem do filme 'Segredos de Sangue'. Foto: Divulgação

O roteiro do ator Wentworth Miller (famoso pela série "Prison Break") tem inspiração assumida na obra de Alfred Hitchcock, especialmente "A Sombra de uma Dúvida", de 1843, do qual empresta o nome de um personagem-chave: Tio Charlie.

Tudo - e especialmente ele - é sinistro e sombrio na história contada sob o ponto de vista de India (Mia Wasikowska), garota tímida e inteligente que perde o pai em um acidente de carro no dia de seu aniversário de 18 anos.

Siga o iG Cultura no Twitter

Durante o velório ela é apresentada a Charlie, tio de quem nunca ouvira falar e que começa a seduzir sua mãe, Evelyn (uma apagada Nicole Kidman). Desde o início fica claro, para Mia e para o espectador, que há algo de muito errado naquele homem, por quem a jovem sente, ao mesmo tempo, repulsa e atração.

São poucos os elementos realmente surpreendentes ou instigantes no roteiro de "Segredos de Sangue", apenas um bom suspense psicológico sobre desejo, sexualidade e vingança. Embora tenha diminuído a brutalidade com que costuma filmar a violência, Chan-wook ainda impressiona visualmente, com belo uso de cores e enquadramentos.

A estética é, sem dúvida, o grande apelo do filme, bem como a atuação da talentosa Mia Wasikowska, cujo rosto acaba sendo mais intrigante que a própria história.

Veja o trailer de "Segredos de Sangue":



compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas