Cannes 2013: quem se deu bem e quem se deu mal

Por iG São Paulo |

compartilhe

Tamanho do texto

Adele Exarchopoulos, Robert Redford e irmãos Coen foram destaques do festival francês, enquanto novos de Marion Cotillard e Ryan Gosling decepcionaram

A edição 2013 do Festival de Cannes concedeu a Palma de Ouro a "Blue Is The Warmest Colour", drama sobre uma adolescente de 15 anos que vive um romance com uma mulher mais velha, consagrando também a protagonista, Adele Exarchopoulos.

Leia também: "Blue Is The Warmest Colour" ganha a Palma de Ouro em Cannes

Nos doze dias de festival, os críticos elogiaram o trabalho de atores como Robert Redford e Michael Douglas, além de filmes como "Nebraska" e "Inside Llewyn Davis", que se fortaleceram na corrida pelo Oscar 2014.

As principais decepções foram "The Immigrant", longa de época dirigido por James Gray e estrelado pela francesa Marion Cotillard, e "Only God Forgives", segunda parceria do ator Ryan Gosling com o dinamarquês Nicolas Winding Refn, de "Drive".

Veja os destaques e decepções do Festival de Cannes 2013:

A atriz Adele Exarchopoulos, de 'Blue Is The Warmest Colour'. Foto: Getty ImagesImagem do filme 'Blue Is The Warmest Colour', premiado com a Palma de Ouro. Foto: DivulgaçãoJoel e Ethan Coen são candidatos ao Oscar com 'Inside Llewyn Davis'. Foto: APMichael Douglas saiu sem prêmio, mas 'Behind The Candelabra' foi tido como ponto alto de sua carreira. Foto: APRobert Redfor foi muito elogiado pela atuação em 'All Is Lost'. Foto: APAlexander Payne e Bruce Dern, diretor e ator de 'Nebraska', que sai fortalecido de Cannes. Foto: APA atriz Bérénice Bejo, escolhida melhor atriz, com o diretor de 'Le Passé, Asghar Farhadi. Foto: APRyan Gosling não foi ao festival para mostrar 'Only God Forgives', tido como decepção. Foto: GettyA atriz Marion Cotillard foi elogiada, mas 'The Immigrant' foi considerado decepção. Foto: Getty Images'Un Chateau in Italy' foi considerado 'burguês demais' por grande parte da crítica. Foto: Divulgação

"Blue Is The Warmest Colour" e Adele Exarchopoulos: Com três horas de duração, o longa do franco-tunisiano Abdellatif Kechiche foi o grande premiado e um dos filmes mais comentados do festival. Por sua vez, a jovem atriz francesa de 19 anos arrancou elogios tanto pelo desempenho em momentos de forte dramaticidade quanto pela coragem nas cenas de sexo e nudez. Numa medida sem precedentes, o júri presidido por Steven Spielberg reconheceu com a Palma de Ouro tanto o trabalho do diretor quanto das duas atrizes principais - Adele e Léa Seydoux. Com isso, driblou a regra que não permite que um prêmio de atuação seja concedido ao filme vencedor da categoria principal.

"Inside Llewyn Davis": Muito elogiado por público e crítica em Cannes, foi considerado um dos favoritos à Palma de Ouro e acabou levando a segunda maior honra do festival: o Gran Prix. Com isso, os irmãos Joel e Ethan Coen saem na frente na corrida para o Oscar do ano que vem. Há chance de prêmio também para o ator Oscar Isaac, que interpreta um cantor e compositor da cena folk de Nova York dos anos 1960, inspirado em Dave Van Ronk,

Robert Redford: O veterano ator foi muito celebrado pelo trabalho em "All Is Lost", um longa quase sem diálogo no qual passa bastante tempo sozinho em cena, como um homem tentando sobreviver no mar. Durante o festival, muita gente comentou que Redford seria forte candidato a prêmios se o longa estivesse em competição. 

Michael Douglas: Foi considerado o grande destaque de "Behind The Candelabra", filme de Steven Soderbergh sobre o apresentador homossexual Liberace. Para muitos críticos, trata-se do melhor trabalho de Douglas em toda a carreira. O fato de o filme ter saído de Cannes sem prêmio é até certo ponto relativizado pelo fato de "Candelabra" ter sido feito para a televisão e estreado na HBO norte-americana no dia do encerramento do festival.

Divulgação
'The Immigrant', uma das decepções de Cannes


"Nebraska" e Bruce Dern: Premiado duas vezes com o Oscar de roteiro, o diretor Alexander Payne parece ter potencial para concorrer no prêmio do ano que vem com a história de pai e filho com problemas de relacionamento que fazem uma viagem juntos. Escolhido pelo júri de Cannes como melhor ator, Bruce Dern também deve ser nome forte na temporada de premiações  de 2014.

"Le Passé": Um dos mais aguardados filmes em competição, o novo longa do iraniano Asghar Farhadi, de "A Separação", não decepcionou: foi longamente aplaudido após a exibição e considerado favorito à Palma de Ouro. Saiu com o prêmio de melhor atriz para Bérénice Bejo, conhecida pelo vencedor do Oscar "O Artista".

"Only God Forgives": A segunda parceria entre Ryan Gosling e Nicolas Winding Refn não agradou como "Drive". Muito pelo contrário: o filme sobre um norte-americano no submundo da Tailândia foi fortemente vaiado após a exibição. A ausência de Gosling em Cannes levantou rumores sobre a possibilidade de o próprio ator não estar disposto a apoiar o filme. Oficialmente, porém, eles estava trabalhando em sua estreia como diretor, "How To Catch a Monster".

“The Immigrant": Apesar dos elogios à atuação de Marion Cotillard como uma polonesa forçada a se prostituir após imigrar para os Estados Unidos nos anos 1920, o longa de James Gray foi detonado por grande parte dos críticos. O Telegraph chamou "The Immigrant" de "sem dúvida a maior decepção do festival".

"Un Chateau en Italie": Única diretora mulher com filme em competição este ano, Valeria Bruni Tedeschi (irmã de Carla Bruni-Sarkozy) foi criticada por grande parte da crítica por fazer um longa "burguês demais" que reflete sobre amor e morte. Para o Guardian, foi o pior filme da competição: "construído sem cuidado, emocionalmente negligente e, sobretudo, fantasticamente irritante."

Leia tudo sobre: festival de cannescannes 2013cinema

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas