Filme de cineasta iraniano é ovacionado em Cannes

Por Reuters |

compartilhe

Tamanho do texto

Preso em 2010 e hoje liberado para viajar, Mohammad Rasoulof apresenta longa baseado em fatos reais na mostra "Um Certo Olhar"

Reuters

Um cineasta iraniano que foi preso sob a acusação de propaganda antigoverno em 2010 lançou nesta sexta-feira no Festival de Cannes um novo filme sobre opressão estatal que ele rodou em segredo em seu país.

Mohammad Rasoulof foi considerado culpado por "ações e propaganda contra o sistema", depois de tentar fazer um documentário sobre os distúrbios que se seguiram à controversa reeleição do presidente Mahmoud Ahmadinejad, em 2009.

Saiba tudo sobre o Festival de Cannes 2013

Reuters
Mohammad Rasoulof posa para fotos em Cannes

Ele foi condenado a 6 anos de prisão e proibido de fazer filmes e de deixar o Irã por 20 anos. Mas, após recurso, a sentença foi reduzida para um ano de prisão e a Justiça removeu as proibições de viajar e fazer cinema.

A plateia ovacionou seu novo filme, "Dast-Neveshtehaa Nemisoosand" (Manuscritos Não Queimam), em uma exibição para a imprensa nesta sexta-feira em Cannes.

Rasoulof disse que o filme foi baseado na história verdadeira de 21 escritores e acadêmicos iranianos que viajavam num ônibus e foram alvo de um atentado fracassado, ao qual sobreviveram. O cineasta descreveu o ataque como um "episódio obscuro" na comunidade intelectual iraniana.

Ele se concentra especialmente em um autor que escreve secretamente suas memórias sobre o período em que foi prisioneiro político e as tentativas das autoridades para destruir sua obra.

Rasoulof disse que o filme nunca será mostrado no Irã por causa do tema. Ele não tentou obter uma licença para rodá-lo, pois sabia que seria recusada, e se esforçou para reunir elenco e equipe de filmagem.

"Demorou dois anos para juntar as pessoas que poderiam fazer os papéis e que aceitariam fazer isso e cooperar com a gente", declarou Rasoulof à Reuters TV em entrevista realizada num jardim perto da orla de Cannes.

Siga o iG Cultura no Twitter

A película não tem créditos. "Decidimos em conjunto permanecer no anonimato o quanto for possível, já que sabíamos que poderia haver consequências", disse Rasoulof, que pretende voltar para o Irã em breve.

O presidente do festival, Gilles Jacob, descreveu Cannes como "uma terra de acolhimento", citando os esforços ao longo dos anos para prover uma plataforma de refúgio para os cineastas de todo o mundo que são perseguidos ou censurados pelos seus governos.

O filme anterior de Rasoulof, "Goodbye", sobre um jovem advogado de Teerã tentando obter um visto para deixar o país, ganhou o prêmio de melhor diretor na exibição "Um Certo Olhar", mostra paralela de Cannes, na qual são apresentadas obras de cineastas emergentes e inovadores, em 2011.

A mulher dele recebeu o prêmio, já que Rasoulof estava em liberdade sob fiança no Irã e aguardava a decisão judicial sobre o recurso contra sua sentença de prisão.

"Manuscritos Não Queimam" também é destaque na "Um Certo Olhar". Os vencedores deste ano dessa mostra serão conhecidos no sábado.

Leia tudo sobre: festival de cannescannes 2013Mohammad Rasoulofirã

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas