Wagner Moura sobre 'Elysium': 'Na minha cabeça, meu personagem é brasileiro'

Por Luísa Pécora , iG São Paulo | - Atualizada às

Texto

Ator faz estreia em Hollywood; saiba mais sobre os papéis e o longa de Neil Blomkamp, estrelado por Matt Damon

Durante as filmagens da ficção científica "Elysium", o ator brasileiro Wagner Moura, fazendo sua estreia em Hollywood, perguntou ao diretor Neil Blomkamp: "Era mais ou menos assim que você tinha pensado meu personagem?". O sul-africano respondeu que não, mas emendou: "Ficou ótimo".

O lançamento de "Elysium" só acontece em agosto nos EUA (e em setembro no Brasil), mas a expectativa para a participação de Moura aumentou na semana passada, com a divulgação de fotos que o mostravam tatuado e em cena com o protagonista, Matt Damon.

Leia também: Os 5 personagens mais marcantes de Wagner Moura

"Meu personagem é um misto de revolucionário e hacker, um completo fora da lei", afirmou Moura, durante evento na segunda-feira (dia 8), em São Paulo, do qual o iG participou. Também realizado em Berlim e em Los Angeles, o encontro desvendou alguns dos mistérios que cercam "Elysium", filmado sob sigilo no Canadá e no México.

Imagem do filme 'Elysium'. Foto: DivulgaçãoImagem do filme 'Elysium'. Foto: DivulgaçãoImagem do filme 'Elysium'. Foto: DivulgaçãoMatt Damon em "Elysium". Foto: DivulgaçãoImagem do filme 'Elysium'. Foto: DivulgaçãoImagem do filme 'Elysium'. Foto: DivulgaçãoImagem do filme 'Elysium'. Foto: DivulgaçãoImagem do filme 'Elysium'. Foto: DivulgaçãoImagem do filme 'Elysium'. Foto: DivulgaçãoImagem do filme 'Elysium'. Foto: Divulgação

Moura recebeu o convite para integrar o elenco após Blomkamp assistir a "Tropa de Elite" e teve grande liberdade para criar o personagem, que manca de uma perna, usa bengala e, segundo o próprio ator, tem uma voz "de desenho" que ele nunca usou antes. Há, também, um nítido sotaque que o brasileiro não tentou disfarçar.

"Trabalhar em inglês é realmente muito difícil. Não queria ter mais uma preocupação", contou o ator, que se beneficiou do fato de "Elysium" ter elenco e enredo multicultural. "Na minha cabeça, meu personagem é brasileiro. Não conseguiria fazer de outra forma."

Divulgação
Poster internacional do filme "Elysium"

A trama

Um clipe de dez minutos exibido durante o evento mostra que, assim como em "Distrito 9", Blomkamp usa efeitos especiais, robôs e criaturas fictícias para abordar a desigualdade.

Desta vez, a trama se passa em 2154, quando a humanidade está dividida em duas classes: os ricos vivem em uma estação espacial chamada Elysium, enquanto os demais tentam sobreviver em uma Terra abandonada e superpovoada.

Ex-presidiário e doente, Max da Costa (Damon) precisa se infiltrar no mundo dos ricos para salvar sua vida. Para isso, procura Spider, que transporta "ilegais" para a estação. O encontro resulta no início de uma missão que, se bem-sucedida, pode trazer igualdade aos dois mundos.

Leia também: Wagner Moura, o campeão de público no cinema brasileiro

Além de Moura e Damon, o elenco também inclui a norte-americana Jodie Foster, o mexicano Diego Luna e a brasileira Alice Braga, que interpreta Fray. Mãe e mocinha do filme, ela é amiga de Max da Costa, com quem se reencontra em um hospital após anos de distanciamento. "É uma jovem mulher que a vida pressionou a amadurecer muito cedo", definiu a atriz.

Siga o iG Cultura no Twitter

Divulgação
Alice Braga e Wagner Moura lançam 'Elysium' em SP


Os brasileiros têm poucas cenas juntos, mas Moura disse que a presença de Alice - ou Lili, como se refere a ela - foi fundamental para ajudá-lo a superar a dificuldade de ficar longe da família durante o longo tempo de filmagem (cinco meses, com intervalos).

"Foi muito bom porque é uma atriz brasileira com experiência em filmar em inglês. Conversamos muito, ela me ajudou bastante", disse o ator, que já tem outro projeto internacional, "Fellini Black and White", no qual interpretará o cineasta italiano Federico Fellini.

Para a experiente Braga, a principal distinção entre fazer filmes nos EUA e no Brasil é o dinheiro envolvido. "Cinema é um só em qualquer lugar do mundo. As relações humanas, o contato com o diretor, a paixão é a mesma", opinou. "A diferença que sinto (fora de Hollywood) é não ter tanto tempo para fazer a cena, essa rotina de filmar durante três meses. São sempre seis, sete semanas."

Moura apontou outra: "Lá, a comida do set é melhor".

Leia tudo sobre: elysiumwagner mouraalice bragamatt damonneil blomkamp
Texto

notícias relacionadas