Papel de Margaret Thatcher deu Oscar de melhor atriz para Meryl Streep

Por iG São Paulo |

compartilhe

Tamanho do texto

Consagrada artista norte-americana foi escolhida para interpretar a ex-premiê britânica em 'A Dama de Ferro'; longa humanizou personagem focando em sua doença

Coube a uma das principais atrizes norte-americanas o desafio de interpretar no cinema a ex-premiê britânica Margaret Thatcher, que morreu nesta segunda-feira, aos 87 anos. Estrela de "A Dama de Ferro", lançado em 2011, Meryl Streep ganhou seu terceiro Oscar pelo papel.

Antes mesmo de chegar aos cinemas, o longa foi envolto em polêmicas. Grande parte da imprensa britânica considerou que a diretora Phyllida Lloyd (de "Mamma Mia!") suavizou demais a imagem de Thatcher, conhecida como governante implacável, ao focar o enredo na fase final da vida da premiê, na qual se encontra aposentada, solitária e com problemas mentais.

Leia também: Morre aos 87 anos a ex-premiê britânica Margaret Thatcher

Margaret Thatcher e a versão de Meryl Streep em "A Dama de Ferro". Foto: ReproduçãoMeryl Streep conquista seu terceiro Oscar, por 'A Dama de Ferro'. Foto: Getty ImagesImagem do filme 'A Dama de Ferro'. Foto: DivulgaçãoImagem do filme 'A Dama de Ferro'. Foto: Getty ImagesImagem do filme 'A Dama de Ferro'. Foto: DivulgaçãoImagem do filme 'A Dama de Ferro'. Foto: DivulgaçãoImagem do filme 'A Dama de Ferro'. Foto: DivulgaçãoMeryl Streep (Margaret Thatcher) ao lado de Anthony Head (Geoffrey Howe) em cena do filme 'A Dama de Ferro'. Foto: Reprodução

Lloyd não buscou a cooperação da família de Thatcher (que, aliás, recusou convite para ver uma sessão do filme), mas baseou seu trabalho nas memórias da premiê, além de declarações de políticos dos anos 1980 e em horas de imagens de televisão e discursos. Na época do lançamento, teve de defender "A Dama de Ferro" da fama de "fantasia esquerdista".

Segundo Lloyd, não foi sua intenção fazer um filme sobre política.  "É uma história shakespeariana sobre o poder e a perda de poder e o custo de uma vida formidável", afirmou.

Análise: Margaret Thatcher deixa legado controverso no Reino Unido

Divulgação
Meryl Streep em "A Dama de Ferro"

Streep também defendeu o filme: "Queríamos mostrá-la no final da vida, nesse momento de silêncio, de solidão. Ver a totalidade de uma vida, que foi intensa, turbulenta", destacou.

Leia também: Meryl Streep vale o ingresso para "A Dama de Ferro"

Se o longa provocou reações mistas, a atuação da atriz foi praticamente uma unanimidade. Interpretando Thatcher durante sua ascensão política, seu período à frente do governo (1979-1990) e no fim da vida, Streep conseguiu imitar o sorriso, a entonação, a postura e até o peculiar tom de voz da ex-premiê.

A escolha de uma norte-americana para o papel causou pouca repercussão no Reino Unido, no que foi considerado uma surpresa. Para a diretora, não havia outra opção. "Você precisava de alguém da magnitude de Meryl Streep para assumir o tamanho e a personalidade de Margaret Thatcher. Era preciso uma superstar para interpretar uma superstar", disse.

Streep disse que o papel representou "um desafio intimidante e apaixonante". Durante o Festival de Berlim de 2012, quando indagada sobre o segredo de interpretar tão bem tantos personagens diferentes, ela afirmou: “Sempre acho que estou interpretando a mesma pessoa. Eu me encontro lá. Não vou dizer quais são as características que coincidem com Thatcher. Mesmo quando parecemos diferentes, temos mais em comum do que gostaríamos de admitir, a humanidade que compartilhamos. É interessante para mim encontrar essas notas em comum”.

Streep também contou como fazia para se livrar da personagem no final do dia: “Minha diretora me trazia um gin tônica.”

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas