Emad Burnat, que concorre pelo documentário "5 Broken Cameras", foi barrado temporariamente no aeroporto de Los Angeles

Reuters

Um cineasta palestino que concorre ao Oscar disse nesta quarta-feira que foi barrado temporariamente no Aeroporto Internacional de Los Angeles e ameaçado de deportação.

Emad Burnat, que concorre ao prêmio de melhor documentário longa-metragem por "5 Broken Cameras", disse que os agentes migratórios o retiraram da fila do controle de passaportes, junto com sua esposa e seu filho de oito anos na terça-feira à noite, quando a família desembarcava procedente da Turquia.

Guy Davidi e Emad Burnat, diretores de
Reuters
Guy Davidi e Emad Burnat, diretores de "5 Broken Cameras"

"Os funcionários da imigração pediram uma prova de que eu havia sido indicado a um prêmio da Academia e me disseram que se eu não conseguisse provar a razão da minha visita minha mulher, Soraya, meu filho Gibreel e eu seríamos mandados de volta para a Turquia no mesmo dia", relatou Burnat em nota.

O documentarista Michael Moore, membro da Academia de Artes e Ciências Cinematográficas, que concede o Oscar, disse pelo Twitter que interveio para ajudar o colega.

Siga o iG Cultura no Twitter

"Embora ele tenha apresentado o convite que indicados ao Oscar recebem, isso não estava suficientemente bom e ele foi ameaçado de ser devolvido à Palestina. Aparentemente os agentes de Imigração e Alfândega não podiam conceber que um palestino fosse indicado ao Oscar."

Moore disse que recebeu uma mensagem de Emad pedindo ajuda, e que então acionou funcionários da academia, que ligaram para advogados.

Burnat disse que ele e sua família passaram cerca de uma hora detidos. Autoridades dos Estados Unidos não comentaram o incidente, citando leis relativas à privacidade.

"Viajantes podem ser encaminhados para inspeções adicionais por uma variedade de razões, o que inclui verificação de identidade, motivo da viagem e confirmação da admissibilidade", disse em nota o departamento de Alfândega e Proteção de Fronteiras. "Os Estados Unidos foram e continuam sendo uma nação acolhedora."

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.