Veja: 10 curiosidades sobre "A Hora Mais Escura"

Por iG São Paulo | - Atualizada às

compartilhe

Tamanho do texto

Ator de filme sobre caça a Bin Laden pediu para ser torturado e equipe construiu réplica em tamanho real da mansão do terrorista; saiba mais

"A Hora Mais Escura", que chega aos cinemas brasileiros nesta sexta-feira (15), foi motivo de muita discussão por abordar um tema polêmico: os dez anos da caça ao líder terrorista Osama bin Laden, morto em uma operação do governo americano em maio de 2011.

Crítica: Caça a Bin Laden é contada no polêmico e necessário "A Hora Mais Escura"

Saiba mais: Um guia para entender o filme sobre a caça a Bin Laden

Imagem do filme "A Hora Mais Escura". Foto: DivulgaçãoImagem do filme "A Hora Mais Escura". Foto: DivulgaçãoImagem do filme "A Hora Mais Escura". Foto: DivulgaçãoImagem do filme "A Hora Mais Escura". Foto: DivulgaçãoJessica Chastain em "A Hora Mais Escura". Foto: DivulgaçãoImagem do filme "A Hora Mais Escura". Foto: DivulgaçãoImagem do filme "A Hora Mais Escura". Foto: DivulgaçãoImagem do filme "A Hora Mais Escura". Foto: DivulgaçãoImagem do filme "A Hora Mais Escura". Foto: DivulgaçãoImagem do filme "A Hora Mais Escura". Foto: DivulgaçãoCena do filme de ação "A Hora Mais Escura". Foto: DivulgaçãoImagem do filme "A Hora Mais Escura". Foto: Divulgação

Para levar essa história real ao cinema, a equipe enfrentou muitos desafios, como retratar o uso de tortura pela CIA (agência de inteligência americana) e dar realismo à sequência que mostra a fatal operação - o que culminou na construção de uma réplica em tamanho real da mansão onde o terrorista se escondia.

Veja algumas curiosidades de "A Hora Mais Escura":

Getty Images
O ator Jason Clarke, que pediu para ser torturado

1. Ator sob tortura: Em cena, as fortes sessões de tortura são comandadas pelo ator Jason Clarke, que interpreta um veterano interrogador da CIA. Para se preparar para o papel e "entender a experiência", ele pediu para ser submetido a uma das práticas mais cruéis usadas pela agência: a simulação de afogamento conhecida como "waterboarding". "É claro que é muito diferente quando você sabe que pode parar quando quiser e que tem gente ali para garantir que nada de ruim aconteça", contou, depois, ao site Showbiz 411. "Não é algo pelo qual alguém queira passar."

2. A "Maya" real: A personagem de Jessica Chastain, Maya, é inspirada em uma agente real da CIA que dedicou anos de trabalho às buscas por Bin Laden. Como ela continua trabalhando na agência, sua identidade foi preservada e os realizadores de "A Hora Mais Escura" nunca revelaram se a conheceram pessoalmente ou não. Segundo o jornal The Washington Post, ela se envolveu em uma polêmica depois da operação que matou Bin Laden: enviou um email para colegas de trabalho dizendo que apenas ela era merecedora de um prêmio pela missão. O mal-estar fez com que ela perdesse uma promoção.

Divulgação
Kathryn Bigelow e Marc Boal no set de "A Hora Mais Escura"

3. Dupla dinâmica: “A Hora Mais Escura” é a segunda parceria entre a cineasta Kathryn Bigelow e o jornalista Mark Boal, ambos ganhadores do Oscar por “Guerra ao Terror”, de 2009 (ele como roteirista, ela como a primeira e única mulher a ganhar na categoria direção).

Bigelow, 61 anos, e Boal, 39, se conheceram há cerca de uma década, quando ela o procurou para discutir uma matéria que ele escreveu para a revista "Playboy". Os dois se entendem tão bem que muitas vezes completam a frase do outro durante entrevistas, motivando rumores de um relacionamento amoroso.

A ideia inicial da dupla era fazer um filme sobre a fracassada tentativa de capturar Bin Laden meses depois do 11 de Setembro em Tora Bora, no Afeganistão. O roteiro já estava em pleno desenvolvimento quando a morte do terrorista foi anunciada, forçando uma mudança de planos e levando Bigelow e Boal a encarar o desafio de recontar um episódio histórico recente e ainda envolto em mistério.

4. Mulheres superpoderosas: "A Hora Mais Escura" chama a atenção por ser um filme de ação protagonizado por uma mulher, algo raro em Hollywood. Como uma agente da CIA, função tradicionalmente associada aos homens, a personagem intepretada por Chastain não tem par romântico, filhos ou qualquer questão pessoal em jogo. Seu foco é unicamente o trabalho.

Além de Bigelow e Chastain, outras duas mulheres tiveram papel fundamental no desenvolvimento do filme. A primeira é a milionária Megan Ellison, uma financiadora independente que bancou o orçamento inteiro de US$ 45 milhões (cerca de R$ 88,4 milhões).

Já a distribuição ficou por conta da Sony Pictures, chefiada pela poderosa Amy Pascal. Quando a morte de Bin Laden foi anunciada, a empresa se interessou tanto pelo filme que se comprometeu a distribuí-lo mesmo antes de o roteiro estar pronto.

Getty
Três das mulheres de "A Hora Mais Escura": Jessica Chastain, Megan Ellison e Kathryn Bigelow


5. Relação com a CIA: Para escrever o roteiro, Boal entrevistou militares, autoridades da Casa Branca e funcionários da CIA, no que levantou a primeira polêmica de “A Hora Mais Escura”: a acusação, por parte de políticos republicanos, de que o governo do democrata Barack Obama estava repassando informações confidenciais aos cineastas na tentativa de fazer do filme um veículo de campanha para o presidente. Por isso, a estreia nos EUA foi adiada para dezembro, depois da votação que reelegeu o líder.

De acordo com documentos divulgados a pedido do grupo conservador Judicial Watch, a CIA decidiu cooperar porque "o filme de Mark e Kathryn será o primeiro e o maior. É o que tem mais dinheiro por trás, além de dois vencedores do Oscar na equipe". A agência recomendeu acesso preferencial a Boal, dizendo que o filme tinha o apoio do diretor Leon Panetta. Nos documentos, não foram encontrados indícios de colaboração inadequada.

AP
A mansão real onde Osama bin Laden foi morto

6. Dificuldade do autor: Se assistir às imagens de tortura de "A Hora Mais Escura" é incômodo, criá-las também não foi fácil. Em entrevista ao site Vulture, Boal afirmou que tais cenas estão entre as mais difíceis que já escreveu em toda a vida. "Tive de revisitá-las várias vezes depois que o filme foi lançado e elas são incrivelmente dolorosas. E era para ser assim. Queria mostrar a brutalidade e a desumanidade da situação.".

7. Mansão recriada: Para filmar a cena da invasão do Exército americano à casa de Bin Laden em Abbottabad, no Paquistão, a equipe de "A Hora Mais Escura" construiu uma réplica em tamanho real da mansão de três andares. Também foram fabricados dois helicópteros especialmente para as filmagens.

8. Visão noturna: Outra particularidade da sequência na casa de Bin Laden é o fato de ela ter sido filmada duas vezes: uma de modo convencional e a outra com o auxílio de óculos de visão norturna igual aos dos integrantes do Exército americano. No filme, a diretora intercala as imagens normais e as obtidas com o óculos, que deixam a tela verde.

Divulgação
James Gandolfini, Kyle Chandler e Chris Pratt em "A Hora Mais Escura"


9. Atores de TV: Apesar de Jessica Chastain ser a estrela de "A Hora Mais Escura", o elenco é formado por outros rostos familiares. Há muitos atores famosos por seu trabalho na televisão, entre eles James Gandolfini, da série "Família Soprano", que interpreta o diretor da CIA; Kyle Chandler, de "Early Edition" e "Friday Night Lights", como o chefe da agência em Islamabad, e Chris Pratt, de "Everwood" e "Parks and Recreation", como um dos integrantes da equipe de elite do Exército americano que invade a mansão de Bin Laden no Paquistão.

10. "Zero Dark Thirty": O título do filme em inglês, que literalmente quer dizer “zero escuro trinta”, é um termo militar para “meia-noite e meia”, a hora em que Bin Laden foi morto.

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas