"A Hora Mais Escura": um guia para entender o filme sobre a caça a Bin Laden

Por iG São Paulo |

compartilhe

Tamanho do texto

Saiba mais sobre o contexto histórico e conheça os termos usados pelos personagens do polêmico longa de Kathryn Bigelow

“A Hora Mais Escura”, controverso filme de Kathryn Bigelow que estreia nesta sexta-feira (15) no Brasil, resume em 2 horas e 37 minutos os dez anos da caça do governo americano pelo criador da rede terrorista Al-Qaeda, Osama bin Laden. Em ritmo acelerado, personagens soltam referências a acontecimentos históricos e siglas em inglês, sem tempo para muita explicação.

Siga o iG Cultura no Twitter

KSM? ISI? UBL? Para facilitar a compreensão do longa, indicado a cinco Oscar, o iG preparou um guia de fatos, personagens e expressões.

Crítica: Caça a Bin Laden é contada no polêmico e necessário "A Hora Mais Escura"

Imagem do filme "A Hora Mais Escura". Foto: DivulgaçãoImagem do filme "A Hora Mais Escura". Foto: DivulgaçãoImagem do filme "A Hora Mais Escura". Foto: DivulgaçãoImagem do filme "A Hora Mais Escura". Foto: DivulgaçãoJessica Chastain em "A Hora Mais Escura". Foto: DivulgaçãoImagem do filme "A Hora Mais Escura". Foto: DivulgaçãoImagem do filme "A Hora Mais Escura". Foto: DivulgaçãoImagem do filme "A Hora Mais Escura". Foto: DivulgaçãoImagem do filme "A Hora Mais Escura". Foto: DivulgaçãoImagem do filme "A Hora Mais Escura". Foto: DivulgaçãoCena do filme de ação "A Hora Mais Escura". Foto: DivulgaçãoImagem do filme "A Hora Mais Escura". Foto: Divulgação

O inimigo: Osama bin Laden nasceu em uma família de elite da Arábia Saudita e liderou uma campanha radical e violenta para recriar um império muçulmano. Com os ataques aos Estados Unidos em 11 de Setembro de 2001, que deixaram quase 3 mil mortos, redefiniu o terrorismo no século 21 e se tornou o homem mais procurado pelo governo norte-americano. (Saiba mais sobre Osama bin Laden)

AFP
Osama bin Laden, em foto sem data

A operação: O líder terrorista foi morto em 2 de maio de 2011 na superprotegida mansão onde vivia em Abbottabad, no Paquistão. A operação foi conduzida por uma unidade de elite do Exército americano, conhecida como Seals. Segundo autoridades, o corpo foi jogado no mar para evitar que o túmulo se tornasse um lugar sagrado. Fotos nunca foram divulgadas. (Saiba mais sobre a operação que localizou e matou Osama bin Laden)

"Zero Dark Thirty": O título do filme em inglês, que literalmente quer dizer “zero escuro trinta”, é um termo militar para “meia-noite e meia”, a hora em que Bin Laden foi morto.

Prisões secretas da CIA: Os chamados "black sites" eram centros de detenção em locais desconhecidos, usados pela agência de inteligência dos EUA para movimentar, prender e interrogar suspeitos de terrorismo, muitas vezes com tortura. Tais centros foram autorizados dias depois dos ataques de 11 de Setembro pelo então presidente George W. Bush, mas ele só admitiu sua existência cinco anos depois. Em 2009, o novo líder Barack Obama ordenou o fechamento das prisões.

Divulgação
O ator James Gandolfini em "A Hora Mais Escura" e Leon Panetta, ex-diretor da CIA

Diretor da CIA: Em "A Hora Mais Escura", o ator James Gandolfini é creditado como intérprete do “diretor da CIA”, sem identificação nominal. No entanto, ele foi caracterizado para se parecer com Leon Panetta, que ocupava o cargo na época e hoje é secretário de Defesa dos EUA. O ator disse ter mandado uma carta ao secretário pedindo "desculpas por tudo", inclusive pela peruca usada em cena. Panetta não comentou a atuação de Gandolfini, mas disse que o filme é “ótimo”. “Algumas partes dão uma boa noção de como as operações de inteligência funcionam. Mas acho que, no fim das contas, as pessoas têm de entender que não é um documentário, é um filme”, afirmou.

Geronimo: Codinome de Osama bin Laden. Segundo o jornal The New York Times, no momento da operação o presidente Obama e seus assessores estavam reunidos na Casa Branca, enquanto Panetta narrava, em uma tela de vídeo, o que estava acontecendo no Paquistão. Em certo momento, o diretor da CIA disse: "Geronimo EKIA". Era a sigla em inglês para “inimigo morto em ação” (“enemy killed in action”). Houve um silêncio na sala, até que presidente falou: "Nós o pegamos".

Crítica: Caça a Bin Laden é contada no polêmico e necessário "A Hora Mais Escura"

Divulgação / Casa Branca
Tensos, Obama e sua equipe acompanham desenrolar da operação que matou Bin Laden (02/05/11)

ISI: Abreviação em inglês para a Agência de Inteligência do Paquistão, cuja cooperação com a comunidade internacional foi questionada em diversos momentos. Muitos analistas consideram ser impossível que a ISI não soubesse que Bin Laden se escondia no país.

UBL: São as iniciais de Usama bin Laden, como o líder terrorista é chamado nos documentos da CIA e do FBI (polícia federal americana). Como não há um padrão universalmente aceito para adaptar palavras e nomes árabes para o inglês, a grafia muda dependendo da fonte. Osama bin Laden, porém, é a mais comum.

AP
Khalid Sheikh Mohammed, considerado mentor do 11/09

KSM: Sigla usada para se referir a Khalid Sheikh Mohammed, considerado o mentor dos ataques de 11 de Setembro e um dos aliados mais próximos de Bin Laden. Foi capturado no Paquistão em 2003 e torturado pela CIA. Três anos depois, foi enviado à prisão de Guantánamo, em Cuba. Hoje, aguarda julgamento em um tribunal militar por seu envolvimento na tragédia de 2001.

Abu Faraj al-Libi: chefe operacional da Al-Qaeda, foi capturado em 2005 e ainda está sob custódia dos Estados Unidos. Como Khalid Sheikh Mohammed, sabia da identidade do mensageiro que levou a CIA a descobrir o paradeiro de Bin Laden.

Leia tudo sobre: a hora mais escurabin ladenkathryn bigelow

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas