Indicado ao Oscar, "O Amante da Rainha" retrata triângulo amoroso da realeza

Por Reuters |

compartilhe

Tamanho do texto

Premiado no Festival de Berlim, representante da Dinamarca na categoria filme estrangeiro conta episódio real do século 18

Reuters

Indicado ao Oscar de filme estrangeiro pela Dinamarca, o drama histórico "O Amante da Rainha", de Nikolaj Arcel, aproveita bem a vantagem de um elenco encabeçado pelo carismático ator dinamarquês Mads Mikkelsen ("Depois do Casamento"), injetando genuína vibração humana numa complexa história de época.

Vídeo: Assista a uma cena de "O Amante da Rainha"

Imagem do filme "O Amante da Rainha". Foto: DivulgaçãoImagem do filme "O Amante da Rainha". Foto: DivulgaçãoImagem do filme "O Amante da Rainha". Foto: DivulgaçãoImagem do filme "O Amante da Rainha". Foto: DivulgaçãoImagem do filme "O Amante da Rainha". Foto: DivulgaçãoImagem do filme "O Amante da Rainha". Foto: DivulgaçãoImagem do filme "O Amante da Rainha". Foto: DivulgaçãoImagem do filme "O Amante da Rainha". Foto: DivulgaçãoImagem do filme "O Amante da Rainha". Foto: Divulgação

No Festival de Berlim 2012, o filme foi duplamente premiado, com os troféus de melhor roteiro (de Arcel e Rasmus Heisterberg) e melhor ator para o novato Mikkel Boe Folsgaard, intérprete do insano rei Christian 7º.

É para se casar com este monarca de natureza infantil que chega da Inglaterra, no final do século 18, a princesa Caroline Mathilde (Alicia Vikander). Culta e sofisticada, ela não tarda a perceber a grande armadilha dourada deste casamento, em que é submetida aos caprichos de um marido instável e ausente. Os dois só têm em comum o amor pelo teatro.

Siga o iG Cultura no Twitter

Como resultado das maquinações de alguns nobres insatisfeitos, na colônia dinamarquesa de Altoona, na Alemanha, chega a Copenhague o médico alemão Johann Struensee (Mads Mikkelsen), que não tarda a ganhar a confiança do rei, tornando-se não só seu clínico como seu principal conselheiro.

Além de cumprir o compromisso com seus mentores, reintroduzidos no alto círculo do poder, Struensee aproveita sua proximidade com o rei para induzi-lo a aprovar a liberalização das rígidas leis do reino. Poucos sabem que o médico é ativo simpatizante das ideias iluministas, um posicionamento que poderia custar-lhe a vida, caso o assumisse publicamente.

Assista ao trailer:

Assim, o médico consegue introduzir reformas avançadas para a época, retirando privilégios aos nobres, que passam a pagar impostos, em benefício dos camponeses. Esquivando-se das manobras tanto da rainha-mãe (Trine Dyrholm) quanto de parlamentares conservadores, ressentidos de sua influência sobre o rei, Struensee capta a atenção da rainha.

Cultos e modernos, os dois são naturalmente atraídos um pelo outro, a partir das leituras da biblioteca de Struensee, que inclui autores como o francês Jean-Jacques Rousseau. Não demoram muito a abrir mão da prudência, mergulhando num clandestino e intenso caso de amor.

Em que pese a visível reverência em torno da figura do médico, hoje tido como um heroico precursor da liberdade na Dinamarca, o filme consegue transmitir vivacidade ao reforçar, sempre que possível, a humanidade dos protagonistas diante das incontornáveis pressões de sua época.

Leia tudo sobre: o amante da rainhaoscar 2013

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas