Relembre a trajetória e veja imagens da atriz que está em cartaz com "Os Miseráveis"

Anne Hathaway tinha 19 anos quando apareceu nas telas como a protagonista de "O Diário da Princesa". Agora, aos 30, é tida como a "nova queridinha da América" e está muito perto de receber o Oscar por um papel que sua mãe interpretou no teatro: Fantine, de "Os Miseráveis" .

Leia também: Longo e com muita cantoria, "Os Miseráveis" é só para fãs de musicais

A bem-sucedida carreira de Hathaway, nova-iorquina criada no Brooklyn, também começou nos palcos. Ainda jovem ela decidiu seguir os passos da mãe, Kathleen Ann (o pai, Thomas, é advogado), participando de peças na escola.

O primeiro trabalho fora do teatro foi a série "Get Real", da Fox, que ficou no ar entre setembro de 1999 e abril de 2000. A história girava em torno de uma família moradora de Los Angeles e, além de Hathaway, tinha Jesse Eisenberg ( "A Rede Social" ) no elenco.

Em 2001, Hathaway chegou ao cinema com "O Diário da Princesa", filme inspirado no livro de Meg Cabot que se tornou um fenômeno de bilheteria arrecadando mais de US$ 165 milhões (R$ 328,3 milhões) em todo o mundo. Para conseguir o papel de Mia Thermopolis, ela fez um teste e foi escolhida entre cerca de 500 jovens atrizes.

A atriz Anne Hathaway
Getty Images
A atriz Anne Hathaway

Com o sucesso do longa, Hathaway fez outros filmes leves ou de fantasia, como "O Herói da Família", "Uma Garota Encantada" e a continuação de "O Diário da Princesa". Mas em 2005 a carreira da atriz começou a mudar. Além de conseguir um papel pequeno no premiado "Brokeback Mountain", ela também estrelou "Garotas Sem Rumo", produção pouco conhecida na qual interpreta uma socialite mimada, com direito a cenas de nudez.

Siga o iG Cultura no Twitter

No ano seguinte, novo sucesso: "O Diabo Veste Prada", no qual interpreta a jovem assistente da poderosa editora de uma revista de moda. Apesar de a grande estrela do filme ser Meryl Streep, Hathaway ganhou elogios pelo papel e atuou ao lado de uma das atrizes mais respeitadas de Hollywood.

A versatilidade de Hathaway ficou mais clara em 2008, quando estrelou o sucesso comercial "Agente 86", ao lado de Steve Carell, e o indie "O Casamento de Rachel", que lhe rendeu a primeira indicação ao Oscar. Enquanto via sua carreira deslanchar, a atriz passava por um duro momento na vida pessoal. Seu namorado havia quatro anos, o empresário italiano Raffaello Follieri, foi preso sob acusação de fraude. Durante as investigações, Hathaway terminou o relacionamento. No mesmo ano, começou a namorar o ator Adam Schulman, com quem se casou em 2012.

A carreira continuou movimentada. Em 2009, dividiu a tela com Kate Hudson em "Noivas em Guerra", filme detonado pelos críticos, mas com bilheteria razoável. No ano seguinte, participou da comédia romântica "Idas e Vindas do Amor", da versão de Tim Burton para "Alice no País das Maravilhas" e do drama "Amor e Outras Drogas" , com comentadas cenas de sexo com o ator Jake Gyllenhaal. Depois, estrelou a versão para o cinema do best seller "Um Dia" .

Leia também: "Ideia era parecer quase morrendo", diz Hathaway sobre "Os Miseráveis"

Nenhum dos filmes impressionou os críticos, mas todos ajudaram a mostrar a capacidade de Hathaway de abraçar papeis e gêneros cinematográficos diferentes. Em alta em Hollywood, em 2011 ela foi convidada a apresentar o Oscar ao lado do ator James Franco, numa tentativa de fazer com que a cerimônia tivesse mais apelo para os jovens. Os dois foram muito mal, ainda que a maior parte das críticas tenha ficado para Franco, totalmente apático no palco.

Para Hathaway, a recuperação veio em 2012 com "Batman: O Cavaleiro das Trevas Ressurge" , no qual vestiu o sexy uniforme da Mulher-Gato, e "Os Miseráveis", que lhe rendeu uma enxurrada de elogios. A emotiva interpretação de "I Dreamed a Dream" deve ser suficiente para assegurar a volta de Hathaway ao palco do Oscar, agora para receber o prêmio de atriz coadjuvante.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.