Com entrevistas e música, documentário faz registro divertido de Jorge Mautner

Por Luísa Pécora - iG São Paulo |

compartilhe

Tamanho do texto

Diretores Pedro Bial e Heitor D'Alincourt mostram como a trajetória incomum do cantor e compositor influenciou sua obra

A safra de documentários musicais brasileiros ganha mais um bom título nesta sexta-feira (1º), com a estreia de "Jorge Mautner - O Filho do Holocausto". Produzido pelo Canal Brasil, o filme de Pedro Bial e Heitor D'Alincourt explica como a trajetória incomum do cantor, compositor e escritor de 72 anos influenciou diretamente a sua obra.

Leia também: Para diretor de 'Jorge Mautner', TV Globo faz 'um filme argentino por dia'

Imagem de 'Jorge Mautner - O Filho do Holocausto'. Foto: Juliana TorresImagem de 'Jorge Mautner - O Filho do Holocausto'. Foto: Juliana TorresImagem de 'Jorge Mautner - O Filho do Holocausto'. Foto: ReproduçãoImagem de 'Jorge Mautner - O Filho do Holocausto'. Foto: ReproduçãoImagem de 'Jorge Mautner - O Filho do Holocausto'. Foto: Juliana TorresImagem de 'Jorge Mautner - O Filho do Holocausto'. Foto: Juliana TorresImagem de 'Jorge Mautner - O Filho do Holocausto'. Foto: Juliana TorresImagem de 'Jorge Mautner - O Filho do Holocausto'. Foto: Juliana TorresImagem de 'Jorge Mautner - O Filho do Holocausto'. Foto: Juliana TorresImagem de 'Jorge Mautner - O Filho do Holocausto'. Foto: Juliana TorresImagem de 'Jorge Mautner - O Filho do Holocausto'. Foto: Juliana Torres

Filho de um judeu austríaco e de uma católica iugoslava que fugiram da Europa Oriental ocupada pelos nazistas no início da década de 1940, Mautner viveu os primeiros anos da infância no Rio de Janeiro sob os cuidados da babá adepta do candomblé. Dessa mistura resultou um artista com um profundo amor pelo Brasil, que não tem dúvidas de que a diversa e original cultura do País "é e será a esperança da humanidade”.

Siga o iG Cultura no Twitter

Para construir o retrato de Mautner, Bial e D'Alincourt usaram imagens de arquivo, entrevistas com amigos e familiares e um show gravado em estúdio especialmente para o filme. No total, 26 canções – incluindo sucessos como “Maracatu Atômico”, “O Vampiro” e “Lágrimas Negras” – são apresentadas, algumas em parceria com os amigos Gilberto Gil e Caetano Veloso.

O belo trabalho técnico impressiona, com uma cuidadosa combinação de luz, fotografia e direção de arte que dão uma cor diferente a cada canção. As entrevistas são informais e divertidas, principalmente as de Gil e Caetano, que relembram histórias do tempo de exílio em Londres, e as da filha de Mautner, Amora, que fala sobre como o pai a buscava de sunga na escola e andava pelado pela casa.

Mas a grande diversão é o próprio Mautner, claramente emocionado com a homenagem e dono de um imenso carisma que deve transformar espectadores em fãs.

Exclusivo: Assista à apresentação de "Maracatu Atômico" em "Jorge Mautner":


compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas