Atriz foi imortalizada como ícone do cinema e da moda por seu papel em "Bonequinha de Luxo"

Há 20 anos morria a atriz Audrey Hepburn. Ela tinha 63 anos. Imortalizada por filmes como "A Princesa e o Plebeu" (1953), "Sabrina" (1954) e "Bonequinha de Luxo" (1961), a atriz é um dios ícones da chamada Era de Ouro de Hollywood.

Audrey Kathleen Ruston nasceu na Bélgica e iniciou sua carreira como bailarina em 1944, aos 13 anos, momento em que a Europa vivenciava os momentos finais da Segunda Guerra Mundial. Nessa época, a jovem passou fome, sofrendo de anemia e problemas respiratórios causados pela má nutrição.

Ao término do conflito, Hepburn mudou-se com a família para Amsterdã, onde passou a estudar balé profissionalmente. Em 1948 a jovem foi para Londres, onde participou de dezenas de musicais e posteriormente ingressou no cinema. Seus primeiros papéis significantes foram em "Secret People" e "Monte Carlo Baby", ambos de 1952.

Audrey Hepburn em
Getty Images
Audrey Hepburn em "Bonequinha de Luxo" (1961)

Siga o iG Cultura no Twitter

No set de filmagens Hepburn conheceu a autora Colette, que a escalou para protagonizar o musical da Broadway "Gigi". O sucesso da produção rendeu à atriz o papel principal em "A Princesa e o Plebeu", filme pelo qual recebeu o Oscar, o Bafta e o Globo de Ouro de melhor atriz em 1953.

A partir daí Hepburn se tornou a queridinha de Hollywood. Suas produções seguintes foram "Sabrina" (1954), ao lado do galã Humphrey Bogart, e "Guerra e Paz" (1956), em que dividiu a tela com o astro Henry Fonda e seu marido na época, Mel Ferrer.

No restante dos anos 1950 Hepburn trabalhou ao lado de famosos de Hollywood no período, como Fred Astaire em "Cinderela em Paris" (1957), Gary Cooper em "Amor na Tarde" (1957), Anthony Perkins em "A Flor Que Não Morreu" (1959), e Burt Lancaster em "O Passado Não Perdoa" (1960).

Leia também: Biografia de Audrey Hepburn retrata sua ascensão e influência

Mas seu maior sucesso ainda estava por vir. Em 1961 Hepburn foi convidada pelo diretor Blake Edwards para estrelar a adaptação do romance "Bonequinha de Luxo", de Truman Capote. O filme, em que ela interpreta a acompanhante de luxo Holly Golightly, transformou a atriz não apenas em ícone do cinema, mas também da moda.

Apesar de protagonizar outras produções importantes, como o thriller "Charada" (1963), ao lado de Cary Grant, e a adaptação do musical "Minha Bela Dama" (1964), Hepburn nunca conseguiu desvencilhar sua imagem a "Bonequinha de Luxo".

O último papel de Audrey Hepburn no cinema foi no drama sobrenatural "Além da Eternidade" (1989), de Steven Spielberg. A atriz morreu em 20 de janeiro de 1993, aos 63 anos. Naquele mesmo ano, ela recebeu o Prêmio Humanitário Jean Hersholt como homenagem póstuma no Oscar.

Leia também: Exposição sobre Audrey Hepburn esmiúça cotidiano da atriz em Roma

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.