"Além das Montanhas" evoca persistência de fanatismo religioso na Romênia

Por Reuters |

compartilhe

Tamanho do texto

Atrizes do filme de Cristian Mungiu foram premiadas no Festival de Cannes

Reuters

Vencedor de uma Palma de Ouro em Cannes em 2007 pelo drama "Quatro Semanas, Três Meses e Dois Dias", o diretor romeno Cristian Mungiu saiu novamente premiado no festival francês de 2012 pelo drama "Além das Montanhas", que conseguiu troféus para suas duas protagonistas, Cosmina Stratan e Cristina Flutur, e também o de melhor roteiro.

O filme figurou na pré-lista de nove candidatos às cinco vagas do Oscar de filme estrangeiro, mas ficou de fora.

Siga o iG Cultura no Twitter

Cena de 'Além das Montanhas', de Cristian Mungiu. Foto: DivulgaçãoCena de 'Além das Montanhas', de Cristian Mungiu. Foto: DivulgaçãoCena de 'Além das Montanhas', de Cristian Mungiu. Foto: Divulgação

O drama romeno mergulha no universo fechado de um mosteiro ortodoxo no interior da Romênia atual. Pelo modo de vida das freiras e do padre que o habitam, pode-se pensar que o tempo da história é a Idade Média. Em termos de isolamento, atitudes e valores, esta é a sensação.

Ali vive uma jovem freira, Voichita (a estreante Cosmina Stratan). Órfã, ela cresceu num orfanato, onde se tornou a melhor amiga de Alina (Cristina Flutur). Entre as duas, floresceu a única forma de amor que ambas conheceram. Depois, Alina emigrou para a Alemanha. Voichita entrou para o mosteiro.

Leia também: "Quero desafiar pessoas a pensarem", diz romeno Cristian Mungiu

Reuters
Equipe do filme romeno 'Além das Montanhas' em Cannes

Alina volta, disposta a levar Voichita consigo. Mas a religião entranhou-se completamente em sua psique, de uma forma que a amiga não consegue romper. Uma série de conflitos explode, rompendo a letargia do convento e levando o padre e interpretar o comportamento de Alina como resultado de uma possessão pelo demônio. Segue-se uma espiral de loucura, a partir de um ritual de exorcismo.

Sempre muito rigoroso na elaboração de suas histórias e na composição de seus planos, Mungiu construiu um relato consistente e assustador. O retrato que ele pinta é de um mosteiro onde não só Freud e Jung jamais passaram, como nem mesmo Deus parece habitar mais.

O convento constitui um núcleo claustrofóbico, dominado pelo fanatismo e que está cercado por uma sociedade pós-comunista em que, apesar da localização temporal no século 21, parece presa numa armadilha de apatia diante de instituições completamente incompetentes para acudir seus cidadãos, sejam os hospitais, a polícia ou a própria família.

Apesar das inegáveis qualidades de sua obra, Mungiu parece às vezes ter-se apegado ao próprio formalismo, aos seus planos austeros e belos, e não ter sentido que uma duração menor evitaria algumas redundâncias que enfraquecem, em alguns momentos, a própria dramaticidade da situação -que, inacreditavelmente, baseia-se em fatos reais ocorridos na Romênia em 2005, descritos em livros da jornalista Tatiana Niculescu Bran.

Leia tudo sobre: além das montanhascinema

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas