Premiado "O Som ao Redor" captura contradições sociais do Brasil

Por Reuters |

compartilhe

Tamanho do texto

Em seu primeiro longa, diretor pernambucano Kleber Mendonça Filho mostra rua do Recife como retrato do momento atual do País

Reuters

Em "O Som ao Redor", primeiro longa de ficção do crítico e cineasta pernambucano Kleber Mendonça Filho, as tensões e contradições sociais do Brasil se materializam nos barulhos que cada camada da sociedade é capaz de fazer. O que nos define é o som que somos capazes de produzir, e não aquele que somos obrigados a ouvir. É nesse sentido que se dão a luta de classes e o abismo social.

Premiado em diversos festivais - Roterdã, Rio, Gramado, entre outros - "O Som ao Redor" foi escolhido pelo jornal norte-americano "The New York Times" como um dos melhores filmes do ano passado, sendo definido, na crítica no periódico, como "revelador".

Entrevista: 'Cinema do Brasil é achatado por blockbusters', diz Kleber Mendonça Filho

Divulgação
'O Som ao Redor', dirigido por Kleber Mendonça Filho

Não é para menos. O diretor, que também assina o roteiro, capta com sagacidade as contradições de uma sociedade que vive sob os resquícios de um sistema opressivo e desigual e resiste a superar o coronelismo.

O cenário é Recife, mas poderia ser qualquer centro urbano brasileiro devorado por prédios e especulação imobiliária, onde o Estado parece não ter mais função e a sociedade civil toma para si algumas das obrigações do governo, como a segurança.

Siga o iG Cultura no Twitter

A chegada de um grupo de profissionais da área, liderado por Clodoaldo (interpretado com perfeição por Irandhir Santos), traz a desestabilização da ordem, na qual o rico proprietário Francisco (W. J. Solha, de "Era uma Vez Eu, Veronica") exerce o mando como uma espécie de poderoso chefão do bairro.

De certa forma, Francisco simboliza todos aqueles "coronéis" típicos de um antigo Nordeste, que mandam e desmandam, passando por cima de tudo - afinal, têm o dinheiro e, consequentemente, o poder. Uma cena, que poderia ser quase banal, é a prova e o símbolo desse poder que tudo ignora e desafia, quando o personagem, em um passeio noturno, entra no mar exatamente onde há uma placa onde se lê: "Cuidado: área sujeita a tubarões".

Francisco começa a dividir responsabilidades com seus descendentes. O mais indicado é o neto mais velho, João (Gustavo Jahn, de "Os Residentes"), agente imobiliário que começa um namoro com Sofia (Irma Brown). O mais revelador sobre o personagem é a peculiar relação dele com sua empregada. Há uma autêntica amizade entre eles - ele nem se importa quando os netos pequenos dela tomam conta de sua casa. Mas quais os limites dessa liberdade?

Outra camada da sociedade que aparece no filme é representada por Bia (Maeve Jinkings), mãe de família classe média, dona de casa cujo maior problema, além do calor infernal, é o cachorro que não para de latir na casa ao lado. Ela vive no mesmo bairro de Francisco e sua família. Mas uma clara delimitação social impede que as narrativas se cruzem de verdade.

O que funciona como elo entre as classes são os seguranças, que, paradoxalmente, aumentam a vulnerabilidade de todos. Eles ficam ali, o tempo todo, dia e noite, observam a vida dos moradores da rua, quem entra, quem sai, a que horas chegam. Também tomam conta da casa de quem viaja, ficam com a chave para regar as plantas, mas também desfrutar da cama e das bebidas às escondidas.

E o que querem essas pessoas? Do que são capazes? É aí, já no final, que as fotos iniciais fazem todo sentido, e o ressentimento de classe ganha força.

"O Som ao Redor", de Kléber Mendonça Filho. Foto: DivulgaçãoCena de "O Som ao Redor". Foto: CinemascópioCena de "O Som ao Redor". Foto: DivulgaçãoCena de "O Som ao Redor". Foto: DivulgaçãoCena de "O Som ao Redor". Foto: DivulgaçãoCena de "O Som ao Redor". Foto: Divulgação

Como se antecipa a partir do título do longa, o som - cujo desenho é assinado por Pablo Lamar, e o som direto por Nicolas Hallet e Simone Dourado - tem um papel preponderante na narrativa: é um personagem. 

O filme sugere até um exercício: preste atenção aos sons que você é capaz de emitir, e também naqueles que você ouve todos os dias. Qual a implicação social que existe em cada um deles? Os ruídos que produzimos, diz "O Som ao Redor", revelam quem somos. Aqueles que ouvimos, onde e como vivemos. É nesse plano - no embate entre os dois - que se materializam as contradições sociais de nosso país.

É uma percepção e um viés bastante original para abordar um assunto tão antigo quanto a vida em sociedade. E assim, Kleber Mendonça Filho fez uma obra-prima, um filme que tem muito a dizer sobre o estado de coisas contemporâneo do país.

Leia tudo sobre: o som ao redorkleber mendonça filho

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas