Diretor da CIA critica "A Hora Mais Escura" em carta pública

Michael Morell diz que filme sobre a caçada a Bin Laden não é um retrato fiel dos fatos

iG São Paulo |

O diretor da CIA (Agência de Inteligência dos EUA), Michael Morell, criticou publicamente o filme "A Hora Mais Escura", novo trabalho do diretora Kathryn Bigelow, ganhadora do Oscar por "Guerra ao Terror" - e um dos possíveis indicados ao prêmio em 2013.

Siga o iG Cultura no Twitter

O filme, já criticado por alguns parlamentares norte-americanos, mostra os bastidores da caçada ao terrorista Osama Bin Laden, morto em maio de 2011 durante uma ação militar dos Estados Unidos.

A polêmica em torno da produção surgiu por causa de cenas que mostram o uso da tortura de prisioneiros. Entre os métodos retratados está inclusive o "waterboarding" (ameaça de afogamento).

Leia também: Polêmica cerca lançamento de filme sobre Bin Laden

"O filme cria a impressão de que as técnicas de interrogatório que fazem parte do nosso programa de detenção foram a chave para encontrarmos Bin Laden. Essa impressão é falsa", afirmou Morell em uma carta aberta publicada no website da CIA.

"A cineasta toma liberdades ao retratar funcionários da CIA e suas ações, incluindo algumas pessoas que morreram enquanto serviam seu país. Não podemos permitir que uma produção de Hollywood prejudique a memória deles", completou.

Em entrevista à BBC, Kathryn Bigelow já havia dito que "tudo o que é mostrado (no filme) é representativo de narrativas (obtidas) diretamente das fontes".

Leia também: "É um filme difícil de assistir", diz estrela de "A Hora Mais Escura"

"A Hora Mais Escura" estreia em 18 de janeiro no Brasil.

    Leia tudo sobre: A Hora Mais EscuraCIAOsama Bin Ladencinema

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG