Peter Jackson: "Quero que a garotada que vê filmes no iPad volte ao cinema"

Diretor fala sobre a produção e o formato do filme "O Hobbit", que estreia nesta sexta no Brasil

Reuters | - Atualizada às

Reuters

Getty Images
Peter Jackson na première de "O Hobbit" na Nova Zelândia, 2012

Após dar vida à trilogia "O Senhor dos Anéis", baseada na obra literária de J.R.R. Tolkien, o cineasta Peter Jackson volta à Terra Média com "O Hobbit" .

"O Hobbit: Uma Jornada Inesperada", primeira parte da nova trilogia - que narrativamente antecede à anterior - estreia nesta sexta-feira (dia 14) no Brasil.

Siga o iG Cultura no Twitter

O premiado diretor de 51 anos falou à Reuters sobre o filme em 3D, incluindo o formato a 48 quadros por segundo - o dobro da velocidade habitual -, o que causou polêmica entre fãs e críticos.

Leia também: "O Hobbit" pode ajudar cinema dos EUA a bater recordes

Pergunta: Você originalmente pretendia que "O Hobbit" tivesse apenas duas partes. Por que esticar para três?
Peter Jackson: Em julho, estávamos próximos de encerrar a filmagem e começamos a falar sobre as coisas que teríamos de deixar de fora dos filmes. Há material no final de "O Retorno do Rei" (última parte de "O Senhor dos Anéis"), nos apêndices, que acontecem mais ou menos na mesma época de "O Hobbit". Ficamos pensando: essa é a nossa última chance, porque é muito improvável que voltemos à Terra Média como cineastas. Então falamos com o estúdio, e no ano que vem vamos voltar para fazer mais 10 a 12 semanas de filmagens, porque agora estamos adaptando mais material de Tolkien.

Pergunta: E a que altura você decidiu que dirigiria o filme pessoalmente, depois de originalmente entregá-lo a Guillermo del Toro?
Peter Jackson: Na época (do roteiro), eu estava preocupado em (não) me repetir, e preocupado em (não) competir comigo mesmo. Achei que seria interessante ter outro diretor com um olhar fresco entrando para contar a história. Mas, depois que Guillermo saiu, tendo trabalhado no roteiro e na produção por bem mais de um ano àquela altura, eu estava muito ligado a isso emocionalmente. Pensei: esta é uma oportunidade à qual não vou dizer não.

Pergunta: Você contratou o ator Andy Serkis, que faz o Gollum, para dirigir a segunda unidade do filme, algo que você nunca havia feito antes. O que levou você a entregar a tarefa a um novato?
Peter Jackson: Sei como o Andy queria dirigir. Um dos problemas com a segunda unidade é que você tende a ter uma filmagem conservadora que lhe é dada pelo diretor. Eles jogam no que é seguro. Eu sabia que não teria isso com Andy, porque ele tem uma energia muito feroz. Ele vai atrás e não recua. Eu sabia que, se Andy fosse o diretor, eu receberia um material interessante, que teria vida e energia.

Pergunta: O que te inspirou a fazer o filme em 48 fps (fotogramas por segundo)?
Peter Jackson: Quatro anos atrás, rodei seis ou sete minutos de um passeio do King Kong para o passeio de bonde do estúdio Universal na Califórnia. A razão para termos usado uma velocidade alta era que não queríamos que as pessoas pensassem que era um filme. Você quer esse senso de realidade que você obtém com uma alta velocidade de filmagem, (a sensação de) olhar para o mundo real. Na época, eu achei que seria muito legal fazer um longa-metragem com esse processo.

Leia também: Primeiras críticas de "O Hobbit" atacam a duração e o formato do filme

Pergunta: Nem todos abraçaram "O Hobbit" em 48 fps.
Peter Jackson: No último ano e meio há especulações, em grande parte negativas, sobre isso, e estou muito aliviado por termos chegado a este ponto. Estou esperando por esse momento em que as pessoas realmente possam ver por si mesmas. Os cinéfilos e críticos cinematográficos sérios que veem o 24 fps como sagrado são muito negativos (acerca da novidade) e absolutamente a odeiam. Todo mundo com quem falei com menos de 20 anos de idade acha fantástico. Não ouvi uma só coisa negativa dos jovens, e é essa garotada que está assistindo filmes nos seus iPads. São essas as pessoas que eu quero que voltem ao cinema.

    Leia tudo sobre: peter jacksono hobbitcinema

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG