Nova Zelândia se transforma para receber estreia da trilogia "Hobbit"

Cidade de Wellington, onde mora o diretor Peter Jackson, foi renomeada "Centro da Terra Média"

Reuters |

Reuters

Reuters
Imagem do personagem Gandalf decora fachada de cinema em Wellington, Nova Zelândia

A capital da Nova Zelândia estava correndo para completar sua transformação em um paraíso para os seres de pés peludos e orelhas pontudas nesta terça-feira (dia 27), enquanto as estrelas chegavam para a estreia mundial há muito aguardada do primeiro filme da trilogia "Hobbit".

Wellington, onde mora o diretor Peter Jackson e local de grande parte da pós-produção, foi renomeada para "O Centro da Terra Média", com fãs promovendo festas a fantasia e os trabalhadores da cidade se preparando para colocar 500 metros de tapete vermelho.

Um jato da Air New Zealand especialmente decorado com o tema Hobbit trouxe o elenco, membros da produção e funcionários do estúdio para a estreia.

Siga o iG Cultura no Twitter

Jackson, que já trabalhou em um jornal local e é considerado um herói da cidade, disse que ainda estava editando a versão final de "Hobbit: Uma Jornada Inesperada" antes da exibição de quarta-feira.

Os filmes são baseados no livro de J.R.R. Tolkien e contam a história que leva até sua fantasia épica "O Senhor dos Anéis", que Jackson transformou em três filmes ganhadores do Oscar há cerca de 10 anos.

A história se passa 60 anos antes de "O Senhor dos Anéis" e foi originalmente planejada como apenas dois filmes, antes da decisão de que havia material suficiente para justificar uma terceira parte.

Fãs da Nova Zelândia estavam se preparando para conseguir os melhores lugares para ver as estrelas do filme, incluindo o ator britânico Martin Freeman, que interpreta o hobbit Bilbo Bolseiro, Hugo Weaving, Cate Blanchett e Elijah Wood.

"Tem sido uma espera de 10 anos para esses filmes, a Nova Zelândia é o lar espiritual de Tolkien, então de jeito nenhum nós vamos perder isso", disse o funcionário de um escritório Alan Craig, que se confessou maníaco pelo "Senhor dos Anéis".

Leia também: Ian McKellen não queria participar de "O Hobbit"

A produção tem estado no centro de várias controvérsias, incluindo uma disputa com sindicatos em 2010 sobre os contratos de trabalho que resultaram em uma intervenção do governo para mudar leis trabalhistas, dando à Warner Bros. mais incentivos para manter a produção na Nova Zelândia.

Animais mortos

Jackson disse que a Warner tinha enviado olheiros para a Grã-Bretanha para procurar possíveis locações e também combinou partes do script com filmagens nas Terras Altas da Escócia e em florestas inglesas.

"Isso foi para nos convencer de que poderíamos facilmente ir lá fazer o filme... e eu teria que ter ido até lá fazer isso, mas eu estava lutando desesperadamente para ficar aqui", afirmou Jackson.

Veja: Os cartazes individuais da primeira parte de 'O Hobbit'

Na semana passada, um grupo de direitos animais disse que mais de 20 animais, incluindo cavalos, porcos e galinhas, tinham sido mortos durante a produção do filme. Jackson explicou que alguns animais utilizados no filme morreram na fazenda onde estavam alojados, mas que nenhum tinha sido ferido durante as filmagens.

Os filmes também são notáveis por serem os primeiros filmados em 48 frames por segundo (fps), em comparação com os 24 fps que tem sido o padrão da indústria desde 1920.

O segundo filme, "Hobbit: A Desolação de Smaug", será lançado em dezembro do ano que vem, enquanto o terceiro, "Hobbit: Lá e De Volta Outra Vez", deve sair em julho de 2014.

    Leia tudo sobre: hobbitpeter jacksoncinema

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG