Diretor Sam Mendes acerta ao aprofundar drama dos personagens, ao mesmo tempo em que presta homenagem aos filmes do agente secreto

O pedido de falência da MGM fez bem a James Bond. O período de instabilidade financeira do estúdio, em 2010, colocou "Operação Skyfall", prioridade depois de "Quantum of Solace" (2008), na geladeira e provocou uma dança de cadeiras. Daniel Craig, claro, continuou no papel principal, mas Sam Mendes assumiu como diretor e o roteirista John Logan, indicado ao Oscar por "A Invenção de Hugo Cabret" e "O Aviador", se uniu à dupla Neal Purvis e Robert Wade, que cuida dos roteiros do espião desde 1999.

INFOGRÁFICO: James Bond - 50 Anos

A partir desta sexta-feira (26) em cartaz no Brasil, o resultado enche os olhos e agrada a quem gosta de bom cinema: "Operação Skyfall" é, sem pestanejar, um dos melhores filmes da série cinquentenária .

Muito tem se falado da mistura do moderno e do clássico , mas o grande trunfo de "Skyfall" é realmente dramático. No final do prólogo, durante uma perseguição eletrizante em Istambul , Bond é baleado e dado como morto. O tiro era para o bandido que ele perseguia – apesar do risco de atingir 007, M (Judi Dench, majestosa), chefe do serviço secreto britânico, o MI6, autorizou o disparo. Com o erro, um disco com os dados de todos os agentes infiltrados em células terroristas cai nas mãos erradas.

Siga o iG Cultura no Twitter

Anônimo numa praia, amargurado, Bond passa os dias na cama, na companhia de uma bela morena, e enche a cara no bar local. A explosão da sede do MI6 por um ciberterrorista o motiva a deixar o ostracismo e voltar à ativa, mas a situação não anda lá muito bem. Tachado como alcoólatra, ele precisa passar por uma bateria de exames para provar que está apto a reassumir o posto, enquanto M responde a um inquérito e sofre pressão para sair de cena. Na opinião do burocrata Gareth Mallory (Ralph Fiennes), tanto Bond quanto M deveriam se aposentar. "Estamos velhos", reconhece 007, e a barba branca de Craig não deixa que se pense o contrário.

Daniel Craig: velho demais para a função?
Divulgação
Daniel Craig: velho demais para a função?

Essa questão permanece latente ao longo de todo o filme – eles estariam velhos demais para continuar? –, e apresenta uma chave inédita em relação aos outros capítulos da franquia, em geral ocupados demais com a ação ou o humor para se dedicar a assuntos sérios. Verdade que o reinício com Craig desde "Casino Royale" (2006) indicava uma preocupação maior com o mundo real, mas "Skyfall" surpreende pela complexidade dos temas. Há ainda uma inesperada história de origem, no desfecho na casa onde Bond cresceu, no pantanoso interior da Escócia (atenção para o pequeno papel de Albert Finney), e o triângulo doentio entre M, Bond e o vilão.

Leia também: "007 - Operação Skyfall" é o melhor filme da saga, diz crítica britânica

Se não é o maior antagonista da cinessérie, Raoul Silva é com certeza um dos melhor construídos. Apresentado num espetacular plano sequência, Javier Bardem colocou uma prótese nos dentes e platinou os cabelos e sobrancelhas para dar vida a um ex-agente com uma senhora mágoa de M. Há aí uma curiosa relação de amor e ódio, já que Silva amava M como uma mãe.

Ele compartilha a megalomania habitual dos vilões (controla uma ilha, tem um exército de capangas, pode provocar o caos com um clique no computador), embora sua psicopatia realmente dê medo – Silva é uma mistura de Hannibal, Coringa e Buffalo Bill, o maníaco de "O Silêncio dos Inocentes". Como se Bardem já não tivesse material o suficiente, Silva ainda é gay. Numa cena que deve entrar para a história da franquia, ele desabotoa a camisa de Bond, amarrado numa cadeira, e passa a mão em sua perna, enquanto flerta com o herói, que dá uma resposta desconcertante.

Leia também:  Os números de James Bond no cinema

Esta é outra novidade de "Skyfall": o humor. Daniel Craig havia comentado que o filme teria essa característica, tão presente nos outros filmes da série e deixada de lado em sua gestão. O ator continua carrancudo, mas tem tiradas excelentes, assim como o resto do elenco. Não há o escracho ou o exagero da era Roger Moore , por exemplo – é uma opção pelo humor pontual e certeiro, exclusivamente nos diálogos.

Sam Mendes no set do filme
Divulgação
Sam Mendes no set do filme "Operação Skyfall"

Um retorno, portanto, ao estilo 007 clássico, que mesmo com as mudanças se mantém fiel ao original. O formato continua o mesmo, com as Bond girls (Naomie Harris e a belíssima Bérénice Marlohe) e os apetrechos de Q (Ben Whishaw), o fornecedor de bugigangas de espionagem, de volta à franquia. Há até uma homenagem formal (e cômicas) aos 50 anos de James Bond no cinema , com o Aston Martin prateado de Sean Connery em "Goldfinger" e "007 contra a Chantagem Atômica".

Leia também: Daniel Craig diz à imprensa brasileira que "Skyfall" tem humor

Tudo isso não teria o mesmo efeito sem a presença de uma equipe técnica de primeiro time. Os principais destaques são a trilha sonora de Thomas Newman, eficiente ao misturar o tema original de 007, a música de Adele e momentos retumbantes a la James Horner, e a direção de fotografia mágica de Roger Deakins. Responsável por praticamente todos os filmes dos irmãos Coen, Deakins produz pinturas na tela – as cenas em Xangai, por exemplo, são de arrepiar, assim como o uso de contornos e sombras, de certa forma relacionadas à trama.

Diretor tarimbado de produções como "A Beleza Americana" e "Foi Apenas Um Sonho", Sam Mendes rege o espetáculo como se fosse um drama, não um filme de Bond. Verdade que é impossível fugir do espalhafato que acompanha um produto do gênero, mas optar pela construção de personagens, conflitos reais e atuações convincentes só tornam "Skyfall" ainda mais poderoso. O final abre caminho para uma nova fase na franquia e deixa o gostinho de quero mais. Quem assistiu já está falando em ver de novo – "Skyfall" é tão bom assim.

INFOGRÁFICO: James Bond - 50 Anos

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.