James Bond chega aos 50 anos misturando charme novo com antigo

Agente secreto precisa confrontar fantasmas e o mundo moderno em "Operação Skyfall"

Reuters |

Reuters

Os criadores do novo filme de James Bond, "Operação Skyfall", têm se esforçado para combinar os valores da velha escola que tornaram o agente 007 um sucesso ao longo dos últimos 50 anos com costumes modernos, visando manter o espião relevante em um mundo pós-Guerra Fria.

O 23º filme oficial de Bond, que tem sua estreia mundial em Londres nesta terça (23), traz Daniel Craig em sua terceira atuação como o agente secreto de sua majestade, com o diretor britânico Sam Mendes fazendo sua estreia na franquia.

O enredo também coloca a veterana atriz Judi Dench, 77, no centro da ação, como a chefe de Bond M, e conta com o ator espanhol vencedor do Oscar Javier Bardem como um vilão estranhamente extravagante e de cabelos loiros tingidos.

Marcando os 50 anos da estreia do primeiro filme do espião, "Dr. No" (1962), "Skyfall" presta homenagem aos apetrechos de Bond, o seu gosto por carros velozes e mulheres bonitas e introduz humor suficiente para suavizar o tom.

Getty Images
Daniel Craig na première de "007 - Operação Skyfall", em Londres, 2012

Siga o iG Cultura no Twitter

Mas o filme também procura mostrar por que o agente ainda é relevante em um mundo onde a tecnologia é tão importante para as redes de espiões internacionais. "Ele era um produto do seu tempo e nós vivemos em uma época diferente. Espero que este filme reflita o tempo em que vivemos", disse Mendes a jornalistas em uma coletiva recente.

Ele afirmou que o filme serviu para responder a perguntas sobre a relevância da agência de inteligência estrangeira da Grã-Bretanha (MI6) e do personagem de Bond agora que a Guerra Fria acabou. "Estamos falando de valores antigos, que é o que o filme defende - honra, confiança, amizade, coragem - e de certa forma isso está profundamente fora de moda", disse Mendes.

A tensão entre os métodos atuais de inteligência, que dependem mais dos satélites e de rastreamento de computadores do que a abordagem tradicional de detetive acrescenta um grau de tensão para o 23º filme do espião fictício, disse Craig à Reuters. "Bond está muito mais dentro do campo antigo, que diz que você tem que ir e olhar as pessoas nos olhos e fazer perguntas diretamente. E aí temos o choque dos mundos", afirmou Craig.

INFOGRÁFICO: JAMES BOND - 50 ANOS

Em "Skyfall", que apresenta uma nova canção-tema cantada por Adele , Bond viaja entre Istambul, Xangai e Londres enquanto sua lealdade a M é testada quando o passado dela volta para assombrá-la - e enquanto a MI6 fica sob ataque de uma ameaça desconhecida.

Como o James Bond moderno, Craig dá à audiência toques de vulnerabilidade que contrariam a conhecida petulância dos 007 passados. No novo filme ele rapidamente descobre que é dispensável, está envelhecendo e é forçado a enfrentar os fantasmas de sua infância.

O famoso charme do espião e sua disposição para usar mulheres para satisfação pessoal lhe renderam uma parcela de críticas ao longo dos anos. "Mas os fãs ainda vão reconhecer o Bond das antigas", disse Craig. "As mulheres estão ali para satisfazê-lo, acho que ele ainda acredita nisso. Mas se colocar mulheres fortes na frente dele, então vai haver algum atrito", disse.

"Mas eu meio que tenho que me prender ao seu chauvinismo um pouco, porque eu acho que isso torna as coisas mais interessantes", acrescentou ele.

Leia também: "007 - Operação Skyfall" é o melhor filme da saga, diz crítica britânica

O público não pode "ser muito politicamente correto sobre isso", disse Craig. "É uma piada. Todo mundo já entendeu a piada esse tempo todo. Tem a ver com criar faíscas, você quer faíscas. Morte é sexy. Perigo é sexy. Tem a ver com colocar todos esses elementos nisso."

    Leia tudo sobre: operação skyfall007james bonddaniel craigsam mendescinema

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG