Mesmo sendo o primeio longa de ficção de Kleber Mendonça Filho, filme é o trabalho de um cineasta maduro, que sabe o que faz

Finalmente! Em seu nono longa-metragem – “O Som ao Redor”, de Kleber Mendonça Filho –, a competição de ficção da Première Brasil do Festival do Rio tem um candidato de verdade ao prêmio de melhor filme. A produção, que já tinha sido apresentada no Festival de Gramado e levado quatro Kikitos, inclusive melhor direção , desafiou a preferência pelo ineditismo no Rio baseado exclusivamente em sua qualidade.

Siga o iG Cultura no Twitter

Cena de 'O Som ao Redor', de Kleber Mendonça Filho
Divulgação
Cena de 'O Som ao Redor', de Kleber Mendonça Filho

Uma rua do Recife vem, como tantas outras Brasil afora, sofrendo com a violência. Um dia, Clodoaldo (o sempre ótimo Irandhir Santos) oferece seus serviços como segurança, gerando tranquilidade em alguns e uma certa desconfiança de outros. Enquanto isso, Bia (Maeve Jinkings), uma entediada dona de casa, incomoda-se com os latidos do cachorro do vizinho, que também tem a função de guardar a casa.

Leia também: "Éden" escapa da irrelevância ao discutir religião e violência

Outros personagens são protagonistas de pequenas tramas que formam o panorama da vida de classe média no Brasil, com suas brigas entre vizinhos, relação com empregados domésticos, diferenças sociais e econômicas, consumismo. A história de racismo, privilégios e violência está presente o tempo inteiro – Francisco (W.J. Solha), ex-senhor de engenho, é proprietário de grande parte dos imóveis da região. Mas o diretor jamais cai no panfleto ou na aula. Tudo faz parte do cotidiano, às vezes de forma sutil, como é no país.

O som, como o título indica, tem papel primordial: Kleber Mendonça Filho, com a ajuda de sua equipe, transforma em trilha os ruídos da cidade, com seus bate-estacas e cachorros. Em suma, é o trabalho de um cineasta maduro, que sabe muito bem o que está fazendo, mesmo sendo seu primeiro longa de ficção.

Acesse o especial Festival do Rio

“O Som ao Redor”, exibido com sucesso em Roterdã e em outros festivais ao redor do mundo e elogiado pela crítica, é um grande filme brasileiro, como havia muito tempo não se via.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.